https://www.poetris.com/
Raquel de Queiroz : Geometria dos ventos
em 04/06/2011 16:50:19 (9178 leituras)
Raquel de Queiroz

Eis que temos aqui a Poesia,
a grande Poesia.
Que não oferece signos
nem linguagem específica, não respeita
sequer os limites do idioma. Ela flui, como um rio.
como o sangue nas artérias,
tão espontânea que nem se sabe como foi escrita.
E ao mesmo tempo tão elaborada -
feito uma flor na sua perfeição minuciosa,
um cristal que se arranca da terra
já dentro da geometria impecável
da sua lapidação.
Onde se conta uma história,
onde se vive um delírio; onde a condição humana exacerba,
até à fronteira da loucura,
junto com Vincent e os seus girassóis de fogo,
à sombra de Eva Braun, envolta no mistério ao
mesmo tempo
fácil e insolúvel da sua tragédia.
Sim, é o encontro com a Poesia.



(Poesia em homenagem ao poema
"Geometrida dos Ventos" de Álvaro Pacheco)


Imprimir este poema Enviar este poema a um amigo Salvar este poema como PDF
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Transversal
Publicado: 08/06/2011 02:41  Atualizado: 08/06/2011 02:41
Colaborador
Usuário desde: 02/01/2011
Localidade: Fortaleza - Lisboa
Mensagens: 3720
 Re: Geometria dos ventos
Este poema de Rachel, foi em homenagem ao livro “Geometria dos Ventos” do Poeta Álvaro Pacheco (Nascido em 26 de novembro de 1933, no Piauí, Poeta, Jornalista, Editor, Senador, etc)
Do livro “Geometria dos Ventos” de Álvaro Pacheco, escolhi o delicioso “Os Ventos”

Os Ventos

"Não há, nos ventos,
a liberdade da morte,
embora estejam implacáveis e
jamais perdoem as folhas secas.

Todos os ventos têm nome
mas não se conhece nenhum
de perto, embora
se agarrem a você
e desorganizem a harmonia.

Os ventos não têm forma
mas sabemos todas as suas aspirações
e os seus amores com o mar e as árvores.

Os ventos não têm a liberdade da morte
diluídos na essência
do que nunca aconteceu."

Por alguma a razão da homenagem de Rachel a este poeta …

Links patrocinados

Visite também...