https://www.poetris.com/
 
Poemas -> Sombrios : 

Queda inevitável

 
Queda inevitável
 
Balanço-me numa corda segura
Entre as duas margens abruptas
De um rio calmo serpenteando em bonança
De águas profundas e negras
Cunhando imperiosamente a sua presença
Em serras agrestes e majestosas

Encontro o equilíbrio momentâneo
Entre vertigens que atemorizam o meu ser
Mas a deliberação de planar permanece
Num jogo de vida sob o abismo intempestivo

Num deslize partes de mim se esfumarão
Em fracções de tempo
Se as forças me faltarem
Se as estratégias falharem
Se os meus olhos cegarem

E o tumulto das emoções
Anulará a temperança
E a razão perder-se-á na proporção
Infinita dissimulação nascida pseudo filosofia
Revogará a sensata moderação
E da mente se ausentará a harmonia
Pois a existência, como um karma
Só para alguns se torna horrenda
Porque morrer é a parte mais simples
Há quem esgotado pela amargura defenda!
 
Autor
AnaMariaOliveira
 
Texto
Data
Leituras
638
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
9 pontos
1
0
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 08/08/2010 10:39  Atualizado: 08/08/2010 10:39
 Re: Queda inevitável
Ola Ana

quando os poemas são verdadeiras obras de arte resta contemplar, como de um quadro se tratasse. Quedei-me nesta contemplação.

Exímio e favorito

Beijo azul