https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Douro

 


os fugazes instantes,
salpicos de ouro
que vestem o rio,
revelam cintilantes,
que o mar recebe a nascente
sob a luz límpida
que a foz guarda
e oferece

do eco vibrante
dessa tarde infinda
permanece,
no ancoradouro
dos nossos instantes,
o silêncio
mais puro,
aquele, que primeiro nos uniu

então, fomos amantes
sem o sermos ainda

 
Autor
pAuLoGaLvAo
 
Texto
Data
Leituras
751
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
16 pontos
8
0
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
arfemo
Publicado: 05/06/2013 22:53  Atualizado: 05/06/2013 22:53
Colaborador
Usuário desde: 19/04/2009
Localidade:
Mensagens: 4812
 Re: Douro
...o rio, o movimento, o ancoradouro e os silêncios (puros)

então, fomos amantes
sem o sermos ainda


belo poema, Paulo


Enviado por Tópico
(re)velata
Publicado: 06/06/2013 17:17  Atualizado: 06/06/2013 17:17
Colaborador
Usuário desde: 23/02/2009
Localidade: Lagos
Mensagens: 2181
 Re: Douro
O entendimento no silêncio vale mais que o ouro que veste o rio e é um bem próprio de um amor que só pode ser especial. Muito bela, no poema, a captação de impressões e sentimentos. Parabéns!


Enviado por Tópico
Vania Lopez
Publicado: 07/06/2013 05:00  Atualizado: 07/06/2013 05:00
Colaborador
Usuário desde: 25/01/2009
Localidade: Pouso Alegre - MG
Mensagens: 17658
 Re: Douro
quando o 'depois' dos olhos
vem antes da alma... nascem poemas de ser.
benzidos em silencio puro de uma nascente. bjs


Enviado por Tópico
Sterea
Publicado: 07/06/2013 10:11  Atualizado: 07/06/2013 10:11
Colaborador
Usuário desde: 20/05/2008
Localidade: Porto
Mensagens: 3397
 Re: Douro
O silêncio (da alma) é de ouro, dizem, mas, aqui, o silêncio dos olhos é Douro, é Foz, é Amor - cais de chegada e cais de todas as partidas...

Belíssimo. E quando leio em silêncio, é ouro, sempre, o que sinto por dentro.

Beijinho(s)