https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Jardins Proíbidos Paulo Gonzo

 
 
Quando amanheces, logo no ar,
Se agita a luz sem querer,
E mesmo o dia, vem devagar,
Para te ver.

E já rendido, ver-te chegar,
Desse outro mundo só teu,
Onde eu queria, entrar um dia,
P'ra me perder.

P'ra me perder, nesses recantos
Onde tu andas, sozinha sem mim,
Ardo em ciúme, desse jardim,
Onde só vai quem tu quiseres,
Onde és senhora do tempo sem fim,
Por minha cruz, jóia de luz,
Entre as mulheres.

Quebra-se o tempo, em teu olhar,
Nesse gesto sem pudor,
Rasga-se o céu, e lá vou eu,
P'ra me perder.

P'ra me perder, nesses recantos
Onde tu andas, sozinha sem mim,
Ardo em ciúme, desse jardim,
Onde só vai quem tu quiseres,
Onde és senhora do tempo sem fim,
Por minha cruz, jóia de luz.
Entre as mulheres.


AME SUA FAMILIA POIS ELA É SEU BEM MAIOR.

 
Autor
Nilcarmem
Autor
 
Texto
Data
Leituras
1137
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
1 pontos
1
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
martims
Publicado: 29/09/2013 10:49  Atualizado: 29/09/2013 10:49
Colaborador
Usuário desde: 12/08/2013
Localidade:
Mensagens: 6797
 Re: Jardins Proíbidos Paulo Gonzo
Mais que sentimento trduz esse poema.Algo que se quebra nã conseguindo e algo se transfromar. Solidão