https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

É pelo dorso do mar que o tempo se estende Indomável

 
.
.
.
.
.
.
.
....................................
************************************

Mais vazio por entre os longínquos dedos que tocam um corpo estático e o traço que o calor do sol não consome.

Falas-me daqueles passos que nada traziam consigo
Nem pegadas arrastando-se pela brisa soprada a norte
Terra céu ou um mar que habita o meio de uma floresta secreta desconstruída pela ignorância
Nem alma nem Deuses escondidos.
Ris.

E se te repito as longitudes supremas onde
Tentam-se ver vidas extasiadas sublimes
Forçamos os limites da loucura outras visões
Maldições dos navegadores.

É pelo dorso do mar que o tempo se estende
Indomável

Pudesse eu dominar a simples onda e guardá-la
Até o fim da preamar furiosa até
À lua cheia
Como os filhos dos anjos se escondem das aves que migram.

Lembro-me da inquietação das procelas que
Mesmo antes de chegarem
Tornam-nos náufragos e
Do esvoaçar das velas destecendo-se a pouco e pouco
De um mastro apodrecido
Por vezes o azul fantástico da aurora seguia-se-lhe
Ou a erupção de um arco-íris mergulhando até fossas mais profundas.

Contemplo-te sem temores limitados

Dir-me-ás então que jamais compreenderás a esperança de cada partida pelo cansaço.

Conta-me dos enigmas que as palavras aglutinam em cada nova rota.

Perco os meus gestos.


I

(Hoje quando beber a última taça deste desejo sem esperança
A chicotada na alma ecoará
Incessantemente).


(Ricardo Pocinho)


"Floriram por engano as rosas bravas
No inverno:veio o vento desfolha las..."
(Camilo Pessanha)

http://ricardopocinho.blogspot.com/

 
Autor
Transversal
 
Texto
Data
Leituras
1133
Favoritos
3
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
48 pontos
14
5
3
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Odairjsilva
Publicado: 11/04/2014 20:59  Atualizado: 11/04/2014 20:59
Membro de honra
Usuário desde: 18/06/2010
Localidade: Cáceres, MT
Mensagens: 2782
 Re: É pelo dorso do mar que o tempo se estende Indomável
Uma construção poética magistral. Gostei de ler. Parabéns!


Enviado por Tópico
rosafogo
Publicado: 11/04/2014 21:37  Atualizado: 11/04/2014 21:37
Colaborador
Usuário desde: 28/07/2009
Localidade:
Mensagens: 9599
 Re: É pelo dorso do mar que o tempo se estende Indomável
As tuas letras não esquecem sentimentos tristes, como a saudade, a melancolia, a solidão, ou então cantam a beleza do amor e da vida, encantas quem te lê, é para nós como um tesouro colectivo que te agradecemos.

Abraço Ricardo, bom fim de semana.


Enviado por Tópico
HelenDeRose
Publicado: 11/04/2014 23:16  Atualizado: 11/04/2014 23:16
Usuário desde: 06/08/2009
Localidade: Sorocaba - SP - Brasil
Mensagens: 2092
 Re: É pelo dorso do mar que o tempo se estende Indomável
Ricardo, permita-me compartilhar com meus amigos e amigas este seu poema.

Ele merece ser lido por todos que possuem uma sensibilidade genuína.

Agradeço.

Helen.


Enviado por Tópico
Jmattos
Publicado: 12/04/2014 14:20  Atualizado: 12/04/2014 14:20
Colaborador
Usuário desde: 03/09/2012
Localidade:
Mensagens: 16148
 Re: É pelo dorso do mar que o tempo se estende Indomável
Parabéns Poeta

(Hoje quando beber a última taça deste desejo sem esperança
A chicotada na alma ecoará
Incessantemente).


Frase instigante! Poema inspirador! Obrigada por partilhar!
Beijos!
Janna


Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 13/04/2014 19:20  Atualizado: 13/04/2014 19:20
 Re: É pelo dorso do mar que o tempo se estende Indomável
É pelo dorso do mar que o tempo se estende
Indomável, é pelo dorso do mar... tua escrita tem esse poder de fazer a alma navegar, sempre, Perfeito!


Enviado por Tópico
RayNascimento
Publicado: 13/04/2014 20:56  Atualizado: 13/04/2014 21:11
Membro de honra
Usuário desde: 13/03/2012
Localidade: Monte Roraima - Brasil
Mensagens: 6400
 Re: É pelo dorso do mar que o tempo se estende Indomável
Docilidade entre os dedos
Dedilhando o mar na emoção
Que lapida o coração
Na boca entre aberta
Palavras e palavras
Conjugadas
Que abrem o portal
Do teu sorriso
Vislumbrando o amanhecer
Feito água em lençol
Na extremidade do sol
Que consome em sede o corpo
Despetalado na emoção
Na borrasca que enverga
Nos rochedos dos degredos
Silenciado de si
No cansaço da espera
Que naufraga a continuidade
Do querer o frenético
Movimento que adentra
Em prece o lamento
Da ânsia do não mais te ter
Nas marés que sobram
Escoando os sentimentos
Escorrendo pelas mãos
Espalhados sem direção
Nos ditames das ondas.

Ray Nascimento



Open in new window


Enviado por Tópico
Betha Mendonça
Publicado: 13/04/2014 22:50  Atualizado: 13/04/2014 22:50
Colaborador
Usuário desde: 01/07/2009
Localidade:
Mensagens: 6741
 Re: É pelo dorso do mar que o tempo se estende Indomável
Inebriante!
Beber da tua verve
é embriagar-se de poesia.
Abraço