https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

A Noite Inteira

 

No dia em que caí no teu laço
No visgo que você me colou
Me vi presos aos teus braços
Quando você me chamou de amor.

Não pude resistir aos afagos
Dos olhos meigos e brilhantes
Nem ao roçar dos rubros lábios
Dos beijos tantos e adoçantes.

Das tardes de amor no relvado
Embaixo de um velho arvoredo
O mundo parecia estar parado
Assistindo o matar dos desejos.

Até o vento se calou, abismado
As fontes morreram de medo
Os rios subiram para o espetáculo
Quando viram os milhares de beijos.

Até o Céu ficou com algum receio
Quando viu o amar insano e intenso
Os bichos dos matos ficaram tensos
Quando eu desvendei os teus seios.

Os deuses se mordiam de inveja
Ao assistir eu te deflorando inteira
Nosso travesseiro e cama era relva
E muita gostosa era nossa brincadeira.

E o sol se foi banhar nas águas do oriente
O céu deu lugar para o manto de estrelas
Sossegados com nossos lábios dormentes
Nus, dormimos agarradinhos a noite inteira.


Gyl Ferrys

 
Autor
Gyl
Autor
 
Texto
Data
Leituras
521
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
2 pontos
2
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
martims
Publicado: 21/06/2014 02:36  Atualizado: 21/06/2014 02:36
Colaborador
Usuário desde: 12/08/2013
Localidade:
Mensagens: 6797
 Re: A Noite Inteira
Afagos dos olhos que rosçam os labios na intensidade dos beijos onde os desejos se entrelaçam