https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

O Triste Fim De Otelo

 
Chipre, numa alcova, num castelo
Na orla de um gelado e árido lago,
Estão Desdêmona, Emília e Otelo
Mortos pelo plano diabólico de Iago.

O corpo do negro mouro, amarelo.
A veneziana com um sorriso largo.
Emília, morta serviçal, serve de elo
Entre o Amor e o vil Ciúme amargo.

De tragédias são as misérias humanas
Do tempo antigo desde Eva e de adão
Bem antes e depois do dilúvio de Noé.

O Homem condenado as vidas mundanas;
O primeiro homicídio foi do próprio irmão
E assim foi, e assim sempre será, e assim... É!


Gyl Ferrys

 
Autor
Gyl
Autor
 
Texto
Data
Leituras
809
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
14 pontos
2
2
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 14/03/2015 14:23  Atualizado: 14/03/2015 14:23
 Re: O Triste Fim De Otelo
as coisas podiam estar melhor mas tenho fé que um dia assim seja. parabéns, belo soneto