https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

De mim para mim mesmo

 
Que desperdício de mim,
Assim nem mesmo além,
Aquém do meu objetivo,
Subjetivo sempre serei,
Rei de algo que não sou eu.
Quem eu era?
Espera, desperdício concluído,
Esquecido da declaração,
Decepção.
Decepção.
Quem eu fui?

Não, é mais que isso.
É uma completa difamação de min para comigo mesmo.


É a ausência total da minha personalidade.
Barbaridade pelos bárbaros selvagens,
Altas voltagens me preocupam.
Desculpam toda essa ausência
Com mais ausência.
A insistência pela mera não
Desistência.
A decepção que sou para
Min mesmo.
Esmo, estou só.
Agulha de ló,
Cá é tão agitado.
Rejeitado, me sinto perdido
Tanto quanto um peróxido.
Óxido combustível é
Invisível para o coração.
Tenho na mão a mais bela
Sacanagem de mim para comigo.
Bandido, vendido a leilão na
Selva natal.
Animal, como quase todos
Os humanos.
Reclamo a amizade continua
De mim para comigo!

Mas, de mim para mim mesmo,
Onde estou a navegar?
Detalhes são tão pequenos para
Se ver.
Escrever é quase como desabar,
Mergulhar num poço sem fundo.
Não, preciso melhorar.
Existem teses tão confusas
E abstratas, tão difusas.
Concluo que essa não é
A bela verdade do conluio.
Intuo, mas o que é a
Intuição?
Ah!... A linda defesa
Da minha existência...
Decadência de mim para mim mesmo,
Indecência de não ter decência.
Inutilidade que tenho para comigo,
Seria melhor não tenho existido?
Mas ainda existo!
Triste fardo do homem existente.
Está cansado de tanto existir,
Está com a fútil virtude moderna.
São milênios de civilização,
O homem moderno já cansou.
Não quer ver a realidade,
Já quer até sonhar acordado.
Na ânsia de não existir,
Acaba existindo.
Desistindo de subir ao
Paraíso sereno.
O lugar extremo da alma tranquila.
Quer criar o paraíso terreno
E descansar a alma aflita.


Rafael Carneiro


 
Autor
Rafaelcarma
 
Texto
Data
Leituras
261
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
14 pontos
4
1
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Gyl
Publicado: 18/08/2018 17:55  Atualizado: 18/08/2018 17:55
Membro de honra
Usuário desde: 08/08/2009
Localidade: Brasil
Mensagens: 15149
 Re: De mim para mim mesmo
Muito bom o jogo de palavras com seus significantes e significados. Gostei também da crise existencial do seu "eu-lírico". Abraços!


Enviado por Tópico
Jdcc1
Publicado: 18/08/2018 20:10  Atualizado: 18/08/2018 20:10
Colaborador
Usuário desde: 17/10/2017
Localidade:
Mensagens: 702
 Re: De mim para mim mesmo
Parabéns pelo poema,

gostei bastante da estrutura e musicalidade com que você o conduziu, além é claro do conflito/confronto existencial que se segue.

Ao mais,

Cito-te: "//Intuo, mas o que é a//
Intuição? //
Ah!... A linda defesa//
Da minha existência...//"

Quanto a estes versos, sem puxa-saquismo fútil, queria muito tê-los escrito.

É isso.

Boa tarde,

Jeferson.