https://www.poetris.com/
Sonetos : 

NÃO FOSSEM MINHAS COBERTAS.

 


Nestes dias de inverno me sinto abandonado
A mulher dos meus sonhos não tenho alcançado
É como fosse impossível estarmos lado a lado
E a cada dia que passa me sinto mais desolado.

Não fossem minhas cobertas já teria congelado
Porque a gente não acerta com o amor desejado
Parece uma alquimia que funciona ao contrário
Quando nos damos conta já estamos no passado.

Meus desejos se renovam mas não são realizados
Já sinto um pé na cova mas os sonhos encantados
Me fazem sonhar dormindo e duvidar acordado.

Quem me disse o que pensou escutou a revelia
Que nas tramas do amor as flores são fantasias
Mas a dores são verdades que renovam energias.


Enviado por Miguel Jacó em 08/07/2019
Código do texto: T6691450
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Miguel Jacó

 
Autor
Migueljaco
 
Texto
Data
Leituras
84
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
6 pontos
2
2
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Maryjun
Publicado: 09/07/2019 20:21  Atualizado: 09/07/2019 20:21
Membro de honra
Usuário desde: 30/01/2014
Localidade: São Paulo
Mensagens: 6474
 Re: NÃO FOSSEM MINHAS COBERTAS.
Boa tarde, Miguel,

Um Soneto belíssimo. Apesar do frio! De repente acontece. Parabéns!

Um abraço,
Mary Jun

Enviado por Tópico
Jmattos
Publicado: 12/07/2019 14:02  Atualizado: 12/07/2019 14:02
Colaborador
Usuário desde: 03/09/2012
Localidade:
Mensagens: 16003
 Re: NÃO FOSSEM MINHAS COBERTAS.
Miguel
Alguém me disse que esperar pelo par ideal não era privilégio dos solteiros e solitários, pois até as pessoas casadas ainda esperavam o cônjuge se tornar a pessoa dos sonhos...
Será que o problema está na idealização?
Ainda bem que temos cobertas quentinhas e sonhos que também nos aquecem!
Belo soneto, apreciei a leitura!
Beijos!
Janna