https://www.poetris.com/
 
Prosas Poéticas : 

Viver a dor do passado no presente

 

Na atribulada vida que levo,
Aprovei todas as dores,
E a que mais dói, é a dor do desamor,
No exacto momento da partida;
Partir sem o último abraço,
Sem um beijo de despedida,
Sem um até breve,
Sem um adeus,
Um adeus pesado de dor...
Partir assim, deixa partido o coração
De quem vai na partida e deixa quem fica
Com lágrimas n’alma.
Dor- é só dor…
Dor que não se apaga n’alma,
Sempre que a solidão apertar,
O coração chora, ensopado das lembranças
Dos abraços dados,
Dos afectos tidos,
Dos beijos trocados,
E dos bons e maus momentos vividos.
Disto, o coração nunca esquecerá,
Por mais que forem conquistados
Novos amores na vida.
Essa dor ficará eternamente
Guarda no baú das lembranças e n’alma
Que lhe serve de cofre-forte.
Sempre que as lembranças vierem a tona,
Viver-se-á a dor do passado no presente.

Adelino Gomes-nhaca


Adelino Gomes

 
Autor
Upanhaca
Autor
 
Texto
Data
Leituras
307
Favoritos
3
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
40 pontos
6
5
3
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Upanhaca
Publicado: 09/01/2020 05:58  Atualizado: 09/01/2020 05:58
Colaborador
Usuário desde: 21/01/2015
Localidade: Sol Poente
Mensagens: 6609
 Re: Viver a dor do passado no presente
Essa dor das lembranças, só nos larga na gélida tumba, quando formos chamados ao sétimo céu.


Enviado por Tópico
Maryjun
Publicado: 10/01/2020 17:37  Atualizado: 10/01/2020 17:37
Membro de honra
Usuário desde: 30/01/2014
Localidade: São Paulo
Mensagens: 6644
 Re: Viver a dor do passado no presente
Boa tarde, querido poeta. Upanhaca!

Quanta verdade!
Uma prosa belíssima de um sentimento profundo. Parabéns!

Um abraço,
Mary Jun,


Enviado por Tópico
Violante
Publicado: 10/01/2020 22:20  Atualizado: 10/01/2020 22:20
Super Participativo
Usuário desde: 10/09/2019
Localidade: Campinas, Brasil
Mensagens: 196
 Re: Viver a dor do passado no presente
Olá Poeta,

Lindo poema.
A dor do desamor é grande. Mas outro amor virá.
Estou sofrendo a dor da doença maldita de minha irmã. Essa dói demais.

Abraço.

Carpe diem