https://www.poetris.com/
 
Poemas -> Reflexão : 

CIGARRO AMIGO

 
Tags:  reflexão    desilusão  
 

[b]CIGARRO AMIGO

De bituca em bituca
Nas calçadas desta vida
És falado mal nas bocas
Desta sociedade maluca.

És como eu;
Consumido a cada trago, e...
Queimando assim por dentro
Até que as cinzas nos separem
És assim como eu.

És comprado pelos bares
E eu pelas urnas
Causando a dependência
Da cabeça imatura
És comprado como eu
Pela falta de cultura.

Cigarro amigo;
A cada suspiro
Na cadeia de inimigos
És fiel até a morte
Do primeiro ao vigésimo
São tantos a serem consumidos.

Se te lanço dos meus dedos
É que não te quero nos meus lábios
Tua alma em fumaça dispensa da narina
Se te lanço dos meus dedos
És bituca, cigarro amigo...
Nas calçadas desta vida.

Pelo autor Marcelo Henrique Zacarelli
Maio de 2002 no dia 18
Itaquaquecetuba (sp)
[/b]


Marcelo Henrique Zacarelli

És comprado como eu
Pela falta de cultura...

 
Autor
Marcelo
Autor
 
Texto
Data
Leituras
2376
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
3 pontos
3
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Maria Verde
Publicado: 16/02/2009 23:12  Atualizado: 16/02/2009 23:12
Colaborador
Usuário desde: 20/01/2008
Localidade: SP
Mensagens: 3544
 Re: CIGARRO AMIGO
O que mais gosto em tua poesia
é a diversidade de temas que consegues alcançar.
seu poetar, dessa forma, se faz singular,
em meio a mesmice que impera.
parabéns!

Maria verde

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 17/02/2009 01:40  Atualizado: 17/02/2009 01:40
 Re: CIGARRO AMIGO
Nossa, mas que cigarrinho danado em poeta?
Esse é bravo, mata num piscar de olhos.

Gostei do seu poema...
Parabéns!

Um abraço.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 17/02/2009 01:47  Atualizado: 17/02/2009 01:47
 Re: CIGARRO AMIGO
eis um poema fora do comum, e ainda por cima
trazendo no jardim dos versos uma grande mensagem contra o tabagismo.

"Cigarro amigo;
A cada suspiro
Na cadeia de inimigos
És fiel até a morte" (quase sempre u'a morte sofrida)

gostei de te ler poeta. um abraço fraterno.
Silveira