Sonetos : 

Engano

 
Tags:  engano  
 
Tenras flores do casto engano,
Que assolaram o bem que mo continha!
A vós não sabida é a ventura minha:
Se viver ditoso, se viver ufano.

Nos eflúvios que se me estranho,
verte um delírio de inconstância,
adonde me aproxima a distância,
do afastado bem-viver que acompanho.

Bem do meu viver é tolerância!
Que mal algum, que se me atente,
alcança o céu meu de inconstância!

E viver-se neste jardim latente,
é buscar no engano a pura ânsia
De no mal comum viver contente.

 
Autor
Siturcio
Autor
 
Texto
Data
Leituras
854
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
0 pontos
0
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.