https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Sopa de afectos

 
Tags:  amizade  
 
Num tacho de barro preto
Põe água de Penacova.
Copo e meio de carinho
Mais dois de ternura… e prova.

Se gostares podes comer,
Caso não vou te contar:
Adiciona simpatia
E amizade a engrossar

Em principio já é bom,
Mas melhor pode ser feito.
Com um pouco de amor
Fica uma sopa a preceito

Se for festa e pretenderes
Causar mesmo sensação...
Junta um pouco de desejo
Embebido em paixão.

Deve servir-se bem quente
Em prato de loiça fina,,
Que os afectos se são frios
Amargam muito, menina…

 
Autor
sobreirinho
 
Texto
Data
Leituras
1445
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
4 pontos
4
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
RoqueSilveira
Publicado: 12/09/2009 14:49  Atualizado: 12/09/2009 14:49
Colaborador
Usuário desde: 31/03/2008
Localidade: Braga
Mensagens: 8205
 Re: Sopa de afectos
Sim senhor muito boa a sopa. A receita não poderria ser melhor. Abraço de parabéns

Enviado por Tópico
Tânia Mara Camargo
Publicado: 12/09/2009 16:15  Atualizado: 12/09/2009 16:15
Colaborador
Usuário desde: 11/09/2007
Localidade:
Mensagens: 4263
 Re: Sopa de afectos
Meu querido amigo Manoel do Sobreiro, dizem que
amizades atravessam oceanos e é assim que nos
encontramos num Brasil e Portugal sem fronteiras.
Tenho muito orgulho de ser eu a sua madrinha
e o levar a partir de agora ao mundo literário.
Como você diz: Não deu na última edição do jornal,
Tânia Mara Camargo e seu afilhado unidos pelas letras.
Porém não faz a mínima diferença, não passarei
pela vida em vão e isso importa e muito.
Seja muito feliz aqui! Beijos!


Enviado por Tópico
Tânia Mara Camargo
Publicado: 12/09/2009 16:20  Atualizado: 12/09/2009 16:20
Colaborador
Usuário desde: 11/09/2007
Localidade:
Mensagens: 4263
 Re: Sopa de afectos
Manoel do Sobreiro

Ramerrão, mais um dia em Portugal
igrejas, os cybercafés, luzes em exposição
Nasce uma estrela: Mondego de braços
Abertos. Ao sul, Coimbra recebe suas
Águas. E ali na Vila Nova de Poiares,
Onde o Manoel do Sobreiro vira o
Personagem, o rio deixa o aviso: não
Há limites. Aqui nasci e vou além mar.

Porém o sobreiro vem do Alentejo e
O Manoel de todos os cantos de Portugal.
É voz qual um passaredo, são olhos
Quais estrelas, são braços de um amigo
Verdadeiro que envolve meu corpo
Brasileiro.

Manoel do Sobreiro, metade história,
Metade sentimentos. Alegria que me
Vem em versos de uma alma iluminada.
Sobreiro que é um Carvalho, de folhas
De norte a sul, distribuindo humor e
Poemas de amor. Tu és um lutador nessa
Terra onde Deus lhe chamou, para ser
O poeta, o pintor da palavra, sem nunca
Ter sido um doutor.
******************************
*Carvalho sobrenome do poeta