https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

O fintas

 
O fintas saíu á rua
Num dia esplendoroso
Passo lento e direitinho
Imperial e mui garboso

Ao chegar logo pescou
Que era dia especial
Aviões por toda a parte
E um grande arraial

Festival de paraquedismo
Vislumbrou lá num cartaz
Pôs-se a coçar a cabeça
Desde a frente até lá atrás

Iludiu o segurança
Entou no rol aventureiro
Mochila de lona ás costas
Uma pose de guereiro.

Sobe sobe aviãozinho
Vamos lá á descoberta
Mas dão-lhe tal empurrão
Que voou de boca aberta.

Diz a lenda que o Fintas...
Era arte feita gente
Foi o ultimo a saltar
Mas chegou muito na frente...



 
Autor
sobreirinho
 
Texto
Data
Leituras
524
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
1 pontos
1
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
RoqueSilveira
Publicado: 24/09/2011 21:07  Atualizado: 24/09/2011 21:11
Colaborador
Usuário desde: 31/03/2008
Localidade: Braga
Mensagens: 8215
 Re: O fintas
ehehe

vou-te contar num instante
um sonho muito importante
que tive a noite passada
sentada num avião
voava sobre o sertão
numa leda madrugada

de repente que temor
avaria-se o motor
e de medo me relaxo
sem pensar no esqueleto
dou um mergulho directo
e atiro-me lá p'ra baixo

lá na selva me encontrei
um grande leão mirei
que saia de um buraco
com ele o samba dancei
e depois que me cansei
dei-lhe um pontapé no rabo

atirei-lhe dois sopapos
mesmo directos ao papo
que o bichinho até dançou
com mais 4 cabeçadas
pu-lo de pernas voltadas
nunca mais se endireitou

de manhã quando acordei
muito espantada fiquei
tinha um braço deslocado
a cama toda torcida
a mobília toda partida
de tanto soco ter dado

(não sei o autor nem se é totalmente assim, inventei um bocadinho)

rsrs