https://www.poetris.com/

 
Offline
Fernando M. Pereira
NOVA FAINA
NOVA FAINA Alcateia de ruas nas fugidias noites dos sentidos os velhos mareantes amigos bulindo ...
Enviado por Fernando M. Pereira
em 27/09/2007 10:04:59
Offline
Fernando M. Pereira
NAS CATACUMBAS PÁSSAROS LIVRES
NAS CATACUMBAS PÁSSAROS LIVRES Nas catacumbas dos gestos desconhecidos vivem nas paredes os nin...
Enviado por Fernando M. Pereira
em 21/09/2007 15:55:01
Offline
Fernando M. Pereira
CONQUISTANDO O MITO
CONQUISTANDO O MITO Cortando o fumo da madrugada o cheiro de tudo e de nada entre gestos de gie...
Enviado por Fernando M. Pereira
em 21/09/2007 15:38:12
Offline
Fernando M. Pereira
REVOLTA
REVOLTA . Voz de cal e cheiro de garrafas partidas . exija-se revolta de palavras vivas para os ...
Enviado por Fernando M. Pereira
em 21/09/2007 15:26:16
Offline
Fernando M. Pereira
NA DESPEDIDA
NA DESPEDIDA . Há sonhos plantados no acordar das manhãs prenúncio de noites largas renovadas co...
Enviado por Fernando M. Pereira
em 21/09/2007 15:14:43
Offline
Fernando M. Pereira
INVENTO
INVENTO Retenho com cuidado a arma-cidade na tempestade perdida das dunas egípcias gravo em pé r...
Enviado por Fernando M. Pereira
em 21/09/2007 14:55:46
Offline
Fernando M. Pereira
AMOR OCULTO AMOR
AMOR OCULTO AMOR Abriste-me a janela do teu sorriso e revejo todo o silêncio do mundo dissimulan...
Enviado por Fernando M. Pereira
em 03/09/2007 18:31:27
Offline
Fernando M. Pereira
SÓ EXISTE, SUBVERTE
SÓ EXISTE, SUBVERTE Paisagem transbordando como uma ilha pontilhada de lugares cheiros contido o...
Enviado por Fernando M. Pereira
em 03/09/2007 13:47:15
Offline
Fernando M. Pereira
QUEIMAR UM POEMA
QUEIMAR UM POEMA queimar um poema como quem queima um cigarro queimá-lo nas vísceras como quem ...
Enviado por Fernando M. Pereira
em 02/09/2007 15:05:39
Offline
Fernando M. Pereira
PARTE, NÃO VOLTA
PARTE, NÃO VOLTA 1 suave brisa amamentando breves murmúrios a tarde a descer até tocar o rio na ...
Enviado por Fernando M. Pereira
em 02/09/2007 11:35:45
Offline
Fernando M. Pereira
DO BECO DOS OSSOS
Do beco saiu um cão mendigo perdido perdido procurando um osso e um moço outro moço corr...
Enviado por Fernando M. Pereira
em 01/09/2007 20:54:22
Offline
Fernando M. Pereira
SONHO QUE MEUS POEMAS
Sonho que abres os olhos na minha dor e que fazes da minha insónia teu esqueleto quem és que proc...
Enviado por Fernando M. Pereira
em 01/09/2007 19:25:38