https://www.poetris.com/

 
Offline
Erato
Queres atingir o Olimpo num pé quebrado
Queres atingir o Olimpo num pé quebrado e versejos de estrelas lacrimejantes! Todos bem sabem ...
Enviado por Erato
em 21/10/2011 10:58:56
Offline
Erato
E o infinito
E o infinito no ponto de interrogação estético do poeta? Faz lembrar a morte no silêncio de um...
Enviado por Erato
em 25/08/2011 16:13:56
Offline
Erato
Quando sangras o papel
Quando sangras o papel com teus dichotes oligofrénicos e erras na gramática, pensas-te poeta ...
Enviado por Erato
em 09/08/2011 02:33:01
Offline
Erato
Quando os cristais tinirem
Quando os cristais tinirem na limpidez da manhã, recém-despertada pelos calorosos raios de Apol...
Enviado por Erato
em 06/08/2011 05:17:41
Offline
Erato
É um sopro
É um sopro, apenas, e o Belo ser-te-á acrescentado, como asas no dorso das palavras, e cristai...
Enviado por Erato
em 03/08/2011 18:24:28
Offline
Erato
Se queres ser poeta
Se queres ser poeta, quebra os dedos dos pés e sobe a montanha sagrada! No seu cume, o êxtase d...
Enviado por Erato
em 02/08/2011 02:05:03
Offline
Erato
Oh! Bela e doce Safo!
Oh! Bela e doce Safo! Quanto te devem os mortais no sabor das letras que me cantaste, suaves, ...
Enviado por Erato
em 31/07/2011 12:02:58
Offline
Erato
O meu ventre gera arte
O meu ventre gera arte na imortalidade do seu autor fecundo. Penetra-me, pois, a intimidade par...
Enviado por Erato
em 30/07/2011 22:14:18
Offline
Erato
As cordas dos teus dedos
As cordas dos teus dedos não gemem pérolas. Nem notas tónicas se escrevem no esforço dos obtus...
Enviado por Erato
em 30/07/2011 13:05:38
Offline
Erato
Tremem-te os lábios
Tremem-te os lábios e os dedos, porque te esqueceste da música, ignóbil. Vem abraçar meus joel...
Enviado por Erato
em 30/07/2011 02:17:59
Offline
Erato
Ó mortal estulto
Ó mortal estulto que julgas ser poeta, se me soubesses no divino, não inventarias enganos. Jog...
Enviado por Erato
em 29/07/2011 21:42:44
Offline
Erato
Ouve, infecunda
Ouve, infecunda, abraça minha cintura e suga meus seios! A Poesia sou eu: alimenta-te! Atenta ...
Enviado por Erato
em 29/07/2011 14:41:45
Offline
Erato
Sem mim a Poesia nunca existiu
Sem mim a Poesia nunca existiu, existe ou existirá. Beija-me a boca, mulher, e faço de ti poe...
Enviado por Erato
em 29/07/2011 02:00:34
Offline
Erato
Que são para ti as letras
Que são para ti as letras, ó néscio? E dizes-te poeta? Sou eu, a Poesia!
Enviado por Erato
em 28/07/2011 22:19:47
Offline
Erato
Humilhas-me
Humilhas-me e amaldiçoas-me com tuas palavras indignas e chamas-lhe Poesia?! Maldito és, infam...
Enviado por Erato
em 28/07/2011 12:42:10
Offline
Erato
A Poesia não é isso o que tu pensas que fazes.
A Poesia não é isso o que tu pensas que fazes. A Poesia sou eu. Lembra-te e venera-me!
Enviado por Erato
em 28/07/2011 01:50:12