https://www.poetris.com/

Poemas, frases e mensagens de Branca

Seleção dos poemas, frases e mensagens mais populares de Branca

email para contato: frutivida.2@gmail.com

NOVO ENDEREÇO

 
NOVO ENDEREÇO

Habito um mundo novo
Morada perdida em cantos remotos
cujas paredes são horizontes
Abrindo amplos salões
Pouso meu corpo dolente...

De incenso prazeroso, sossegado
Trazendo calmarias.
Invade perfumes de mar bravio
Adentrando seus interiores
Soprando seu úmido salitre
Nascido de ondas banais
Varrendo anseios, estúpidos sonhos

Habito um mundo que arrendei sem prazo
Com preguiça do futuro
Gastando o presente
Sentando no passado
Nada compro nada vendo
Apenas olho
Os sentidos mudaram, fica apenas o silêncio
Sem vontades ou saudades
 
NOVO ENDEREÇO

DESEJO

 
DESEJO
 
DESEJO

Hoje só quero teu beijo devagar
Terno, pacientemente no sossego de íntimos lábios
Num tempo criado por nós...
Apenas assistido por quietas paredes
Mergulhadas na cumplicidade de uma parca luz

Quero o carinho da tua mão na minha,
O suave entrelaçar dos teus dedos aos meus
Sentir o pulsar do teu coração no meu peito
Num abraço demorado,
Feito eterno neste momento...
Hoje te quero mais um pouco que outros dias,
Num desejo apressado, mas num encontro preguiçoso
Sem demoras em te sentir, em te amar...

Quero junto a ti respirar fragrâncias
Que emanam do fim das madrugadas
O cheiro matinal dos verdes quintais
Que sentimos no abrir das janelas...
Assistir no laço de um abraço os primeiros raios de sol
Que atravessam as gotas de orvalho quais diamantes
Apreciar as últimas flores de verão
Perderem suas efêmeras pétalas num vento displicente
Anunciando assim as tristes folhas de outono

Quero o adormecer de criança
No teu peito abrigo
Ouvir tuas histórias, em sorrisos... Em sussurros...
Ou colher tuas lágrimas da emoção incontida
Quero procrastinar contigo, porque já corremos tanto...

Desejo descansar no teu sono,
Sorver tua paz mesmo no barulho da tempestade
Fazer acontecer o que os sonhos antigos guardavam
Calar pra ouvir teus olhos falarem aos meus.
Atravessando minhas retinas, invadindo minha alma...
Hoje quero todos os amanhãs ao teu lado
E não mais um minuto sequer...
 
DESEJO

PAUSA FINAL

 
PAUSA FINAL
 
PAUSA FINAL

Talvez é a virgula da vida.
Pausando tempo e ações.
E fica o projeto para amanhã o sentir preso no aguardo da precisa ocasião.
E broto igual a semente que cravada no seco barro, eclode ante a benção do liquido celestial. Margeando a vida, a rotina, o abrigo da espera, fico... choro e morro. Quem sabe germino rebento novo fresco e traga coloridas e aveludadas flores....
Quem sabe corra em minhas veias seiva doce que regue meu corpo cansado das amanhãs ofuscadas.
E deixo de sentar na margem pra ser espaço inteiro.
 
PAUSA FINAL

ELETROCARDIOGRAMA

 
Eletrocardiograma

Quando bem garotinha
Percebi no aflorar dos sentimentos
que meu coração parecia ter mãos
Às vezes, elas tocavam a realidade
E a realidade era muito confusa
assustava e fazia doer algo dentro

Eu então escondia a dor, "engolia" o choro
E ninguém se importava
Ignorei quase sempre o mundo real
Crendo mais no que meu coração inventava
O que ele sentia tão intenso
Com suas inocentes mãos
Capazes de criar um mundo particular
Nos galhos da goiabeira, nos cadernos,
Em lápis de cor, tampinhas, caixas ou livros
Nos retalhos de tecidos ou em alguma canção
Distante do mundo real, tão indiferente

Guardo este segredo
Esse lugar dentro de mim
Onde existe uma criança descalça
Com cabelos desgrenhados
Joelhos ralados e unhas sujas
Que observa formigas em filas
Desvira besouros pretos
Perde as horas em viagens no pensamento
Tão vívidas e infinitas

Uma sina em ter esse coração Ingênuo
capaz de tocar e amar simplesmente,
Que ainda se assusta
Que se machuca por vezes,
Espanta por coisas que outros ignoram
Que leva a sério o que acham bobagens
E no peito escondido
Esse coração abafado
Prefere não crescer.

Pensei em muitas pessoas quando escrevi esse texto. Mas Carlos Correa, esse é pra você, que tem um coração de criança e cheio de fé.
 
ELETROCARDIOGRAMA

GERMINAR

 
Meu coração é semente

Que no teu ser

Encontra perfeito solo

Finca raízes profundas

Bebe o veio úmido

Cria em mim doce seiva

Onde ao morno alvorecer

De rosadas manhãs

Broto flor, fresca

Para te fazer sorrir.
 
GERMINAR

ENCONTRO

 
ENCONTRO
 
ENCONTRO

Apenas meus passos existiam

Até ver-te junto no meu caminhar

Clareando um sonho bom

No cheiro fresco de primavera

Sem noites escuras a esperar,

LUZ...

Na tua boca um novo sabor

Do beijo nascido entre sorrisos

No teu abraço, meu lar

E no teu peito deito meus sonhos

Sentindo o deslizar dos teus dedos

A desalinhar meu cabelo

A cheirar minha nuca

ACONCHEGO...

E teu corpo tingido de sol

Sândalo flagrante

Envolvente qual incenso

Forte, amadeirado.

SEDUZ.....

Adentro a tua fortaleza

Pouso nos teus quartos azuis

Sacio a sede num beijo terno

E celebro minha vida junto a tua

PAZ...
 
ENCONTRO

APENAS LEMBRANÇAS

 
APENAS LEMBRANÇAS
 
APENAS LEMBRANÇAS

Era uma casa com risos de crianças
O burburinho delas enchia o ar
Havia vida ali, hoje entendo...
O cheiro do bolo a sair do forno
Excitava o alvoroço do paladar
E vinham correndo de olhos brilhantes
Como pássaros no sol da manhã

E nesta pureza pueril,
Vi minhas sementes irem soltas ao vento
Criando raízes em outros sítios
Em terras distantes
Em estradas sem retornos

O perfume do bolo ainda vaga minhas lembranças
O som do riso...
Um tempo de paz.
Hoje resta o burburinho do meu pranto
Num coração cheio de saudade
Daqueles que pra sempre se foram.
 
APENAS LEMBRANÇAS

VERDADEIRAMENTE, TE AMEI

 
VERDADEIRAMENTE, TE AMEI
 
Verdadeiramente, te amei.

De um amor enorme fiz meu castelo
Sonhos, desejos e sensações nunca antes satisfeitas.
Fiz planos, viajei em devaneios, ri do absurdo.
Acreditei no amor que pulsava o coração, invadia minha mente, roubava sanidade.
Desse amor fiz nosso momento, fiz uma vida inteira.
Mas, que não veio, mesmo insistindo, lutando..., não veio.
E fui obrigada e surrada pela certeza deste impossível querer.
Amei-te neste castelo de paz, um amor suave, doce, extasiante,
Mas nunca provado de verdade, livre totalmente.
Sim, te amei, ternamente, profundamente e unicamente.
Num espaço nunca antes adentrado, ficamos nós e nossa solidão.
Num vácuo inexplorado, somente a vontade de nos ter, completamente nos ter.
Os segundos a nós dados, apenas deixaram lágrimas e certezas.
Coração dilacerado, ruído, em migalhas, cansou-se de acreditar.
Sofrimento que selou o tempo perdido.
Mas restou-me a certeza, mesmo diante do sofrer, do esperar, do inútil esperar.
Que te amei, muito te amei e que te amei...
 
VERDADEIRAMENTE, TE AMEI

AVIVANDO

 
AVIVANDO
 
AVIVANDO

Hoje avistei pássaros na árvore do quintal.
Faziam barulho e as folhas balançavam.
Caíram muitas pela grama.
Bateu uma onda de felicidade...
Acho que estavam se amando.
O trepidar que faziam entre as folhas, dizia-me: estamos vivendo...
Sorri.
Acho que invejei os pássaros...
... seu canto, sua alegria, suas asas....
 
AVIVANDO

PARTILHAS

 
PARTILHAS

Eu poderia dizer o que gostarias de ouvir
Mas isso é o que tu gostarias
Não o que se pode ter
Eu poderia ser a pessoa dos teus sonhos
Mas nunca perguntastes quem habita os meus
Se tu carregas um desejo de partilha, eu também
Mas nem todas as partilhas são com quem queremos
Ou podemos...
Poderia tu ir pra nunca mais voltar
E não encontrar pouso
Talvez eu possa ser ninho temporário
E te dar colo amparando tuas lágrimas na minha mão
Mas nada será mais que isso
Porque somos uma quimera
Um amor sonhado
Um capítulo que sabemos como terminar.
 
PARTILHAS

AMOR PERENE

 
AMOR PERENE
 
Amor Perene

Trazes afeto no teu beijo morno

Nas manhãs azuis ou em tardes de verão

De exato tamanho teu abraço no meu corpo

Braços quais laços, elos de carinhos

Apertados....demorados...urgentes...

No tempo de ausência e distâncias cruéis

A dor consumia.

No gesto do encontro

A alegria renasce, dissipa a dor da ausência

E assim esse amor teimoso

Acende queimando os juízos.

E no mais belo cenário desse sentimento certo

Eu praia deserta, hospedo tu,

meu mar de ousadas ondas

Perene amor de um jeito nosso,

Que nasce todos os dias em êxtase,

Que adormece todos os dias em paz

No cuidado, no desejo, na malícia...

Longe, perto, pra sempre...

Vivendo cada dia,

Na certeza desse amor....
 
AMOR PERENE

EFEITOS COLATERAIS DO AMOR

 
EFEITOS COLATERAIS DO AMOR
 
EFEITOS COLATERAIS DO AMOR

Ahhh o amor...
Violentamente manso
Chega e ocupa todos os cantos
Difícil crer que amar fosse isso
A emoção absurda, faminta, escancarada...
E então vem a invasão de um desassossego bom

Amor...
Arrasando o óbvio, o costumeiro,
Amolecendo o juízo...
O amor vem em curvas, displicente até
Sim, o amor vem rodeando, peçonhento
Nada certo ou calculado, ou mesmo planejado.
E quando menos se espera: vem o bote!

Domina devagar, cresce qual erva adubada
Que nem trepadeira em arames
E vem, chega posseiro, cheio de bagagens,
Porque nunca é breve,
O amor ou fica e te enche o mundo de purpurina
Ou faz um estrago que anos não se repara.

Descompassando literalmente o coração,
Com seus arranhões, ou cócegas, te faz um bem enorme ou fere sem dó.
Mistura de conforto e tormenta ao mesmo tempo
Aquece com uma paz que inquieta a alma
Capaz de mudar o rumo, quem se é, até quem se foi...

Faz brotar pelos olhos o sentir delicado, a entrega de si
Quando chega no peito, instala-se um nó ou um laço...
Não sei...

No efeito inebriante,
Brinca com os pensamentos
E refaz as cenas da memória dezenas de vezes, construindo sonhos...
O amor te faz mais apurado, intensifica o observar,
Mas também te desconecta do mundo

O sábio age como tolo, e os tolos sempre amam...
E tudo fica mais poesia, sons, cores...
sabores, sorrisos, gestos, estações...
Prioriza tudo que se sente,
Revira do avesso e dobra os espaços...

Amor....
Que loucura!!!!!
Não há Darwin que teorize ou encontre o elo da sua evolução.
Inexplicável, indecifrável, indestrutível...
... coisa de Deus!

Talvez não seja nada disso...
 
EFEITOS COLATERAIS DO AMOR

PONTE

 
PONTE

Guardei na memória

As curvas do teu sorriso

Brindando nosso encontro

E quando dói a solidão na alma

Viajo nas ternas lembranças

Temperadas com lágrimas

Uma chaga zombeteira

Corrói por dentro

E rasga, dilacera e escarnece.

E temo te perder de vez

Dentro de mim

Onde estará a ponte

Sobre este mar em tormenta?

Em passos audazes

Em desejos intensos

Fazer os sonhos serem reais

E sentir na ponta dos dedos,

Uma última vez.... tu.
 
PONTE

AMA-ME

 
AMA-ME
 
AMA-ME

Dá-me tua boca farta de sorrisos

De beijos entre sussurros

Dá-me teus lábios de pele quente

De hálito tinto do vinho sorvido

Dá-me tua boca muda e sedenta

De beijo sem pressa, sem tempo...

E toca-me esses lábios de arrepios tantos

Beija-me mais uma vez, e mais uma vez...

Olha-me nos olhos

Toca-me a nuca e prenda-me a ti

Dá-me tua mão e todos teus dedos

Morda meus lábios e arranca-me sorrisos

Prenda-me a ti

Tenha-me com urgências, com saudades tamanhas

Leva-me cativa nos braços teus

Ama-me hoje, sempre...
 
AMA-ME

CARTA A UM AMIGO

 
CARTA A UM AMIGO
 
Carta a um amigo,

Quero dizer que precisamos acabar com essa amizade.
Você me faz chorar demais.
Aflora minha emoção e me tira sonhos que eu já tinha sepultado.
Por favor se afaste de mim.
Pare de borrar minha maquiagem.
Há muito eu tinha conseguido manter a cara limpa.
A boca calada das palavras que os outros não queriam ouvir.
Que coisa cruel essa amizade com você que me lembra minha insanidade.
Que me fez lembrar que os lilases são meus preferidos.
Que saudade tem sabor de chá no inverno.
Que a vida não deve ser tão séria.
Já tinha esquecido tudo isso.
Agora você vem tomando meu espaço
Invadindo minha cabeça
Minhas horas, minhas expectativas
Não vou me enganar mais uma vez.
Muito cruel me inundar com tanta poesia, traços, cores e música.
Vem derrubando meus muros, minhas fronteiras,
Descobrindo meus desejos
Escrevendo novos capítulos
Sim, difícil continuar isso
Difícil acompanhar o voo das tuas asas
Então finja que eu sou desenho. E use a borracha se quiser.
Não quero gente caçando corações em pedras, nuvens, bolhas de sabão.
Já me basta o meu tão grande, tão apertado que chega a sair pelos poros.

Há alguns meses, alguém surgiu na minha vida e trouxe uma bagagem enorme de presentes para o meu coração.
Essa carta escrevi nos primeiros contatos que tivemos.
Ele é pura emoção, um designer maravilhoso, poeta, ilustrador fantástico!
Foi tanta coisa que vi, ouvi, toquei, que me fizeram rir, chorar, transcender. Viajei pra outros mundos, apreciei novos sons e expandi meu conhecimento quanto a poesia.
Esse encontro foi como uma viagem numa montanha russa, cheia de loopings. Por vezes o carro subia devagar os trilhos e de repente ele descia veloz trazendo todo arrepio na espinha. Mas o passeio nesse brinquedo fez o percurso e terminou. Descemos dos vagões e ele se foi...
Tenho um coração cheio de gratidão por ele. E onde estiver ele saberá que me fez sorrir.
Dedicado a você S.Ribeiro.
Créditos da imagem S. Ribeiro.
 
CARTA A UM AMIGO

INDEFERIMENTO

 
INDEFERIMENTO
 
INDEFERIMENTO...

Leio nas páginas do teu querer

Os versos luminosos da tua palavra branda

E decifro teus desejos impossíveis

Que escorrem da janela dos teus olhos tristes

Querendo o céu com todas as estrelas

Mas a palavra NÃO foi necessariamente imposta

E em tantas outras páginas a encontramos

E deixamos esta Sentença desfavorável transitar.

Sem recursos, sem poder apelarmos à outra instância.

Indeferindo um amor que achamos ser justo.

Então...

Ficaremos às margens de uma história

De bem com o que temos

Nas palavras trocadas...

Da música que embala....

De vagas imagens...

Mas na calma do encontro ao acaso...

Usei algumas expressões que são da área jurídica.
 
INDEFERIMENTO

NÃO ESQUECE

 
Não me olhe como se fosse a última vez

Já cansei de despedidas

Olhe-me com certezas de um até breve

Como uma promessa selada mesmo com um tímido sorriso

Acolha meus sonhos em caixas douradas

Nas gavetas do seu coração

Que eu possa ser uma gota talvez, mas preciosa

Como a última num deserto de sal

Ou a fresta de luz de um quarto sem janelas.

Vá, mas não esquece que eu sei amar
intensamente

E isso não foi esquecido

Que mesmo o amor não germinado

Pode viver como semente aguardando a propícia estação...
 
NÃO ESQUECE

FICA

 
 
FICA

Não há como medir a distância entre nós

Tão longe ficamos e não chegamos a um lugar comum

Um vazio que restou

Uma saudade que não se afoga em lágrimas

Quero ouvir tuas histórias mais um pouquinho

ocupa meu olhar com a tua imagem

Careço do lar que habita em ti

Do aconchego nos quartos dos teus braços

Meu amado... se demoras,

Me apresso a morrer um pouquinho mais

Acabam-se as tintas, desbotam as cores do caminho

O amanhã fica indiferente

Então volta e fica.

Não adie o que o tempo roubou

Seja meu verso perfeito no risco do meu poema

seja flor temporã nesse outono que perdura

seja manhã clara e entardecer na varanda

Seja o amor guardado

pela eternidade de uma vida

Pelo tempo infinito de um beijo...

Então fica...
 
FICA

ANCORADOURO

 
ANCORADOURO
 
Fica muito longe o porto onde me ancorei

Distante dos mares turbulentos e frios

Um porto fincado no meu silêncio, e

Nas vontades guardadas...

Sim já não se quer tanto como antes

As lágrimas lavaram a areia dos olhos

Um cansaço do tempo

Ainda bate um coração escasso de sonhos

De dores que não dilaceram como antes

Hoje pulsa mais manso

Minhas Lembranças são passarinhos ingênuos

Fazendo ninhos na tempestade

E, nos oceanos das minhas paixões

Uma maré de águas silenciosas

Indiferente ao barco que carrega

Viaja dentro de mim chegando onde preciso

E ancora... nesse porto onde fiz morada

Num mar mais tranqüilo, numa ilha esquecida...
 
ANCORADOURO

ENFERMIDADE

 
ENFERMIDADE
 
Enfermidade

Dentro de mim vem uma dor sem explicações
E tento entender o porquê que cheguei aqui
Confesso que desejei um tempo de paz e flores
Mas me tiraram até as sementes
Meus olhos choram um vazio deixado
E me agarro aos trapos das minhas ilusões
Sem fome, me alimento de saudades
Quis o bem, edifiquei lindos sonhos num lar banhado em brisas
Sinto que nem a esperança se faz presente
Apenas um nada que fere, uma porta trancada
E eu invadida por tamanha tristeza
Olho e não consigo acreditar em mim, em ninguém.
Carrego em peso minhas mãos fracas, o peito doído
E vejo imagens numa vidraça embaçada
Resguardo-me de mais dor, afasto-me do mundo
Talvez a covardia se agacha ao meu lado
Tempos perdidos me deixaram perdida
Não sei onde ir ou mesmo pousar.
Deito e desejo dormir, dormir e dormir
Até esta dor passar...
 
ENFERMIDADE