http://www.luso-poemas.net/modules/smartsection/item.php?itemid=3049
 
Poemas -> Reflexão : 

Farsa

 

Como pode a existência ser uma farsa?
Como pude prolongar situações sem nexo?
Como pude deixar o tempo suceder e esquecer-me de respirar?
Pertinência do geneticamente adquirido!
Respira-se!
Então porque não respiro?
Porquanto andei por caminhos de ilusão?
Embuste em embrulhos de invólucros perfeitos
Intrujice de corpos e enredos
Cofre de surpresas, perturbações e medos
Maquinações diabólicas de fogo perverso
Estratagemas edificados em obscuros degredos
Mentiras e falsidades sob céus estrelados de vaidades!
Bocas rasgadas em demências
Em cenários suspensos, numa cegueira de imbecilidades!
Assombrados na escuridão das mentes feitas de aparências
Nos adulterinos pilares da representação de um acto!
Sustentáculos de areia que se desfazem num, leve toque
Soterrando-nos numa encenação qual casulo verdadeiramente lato!
Ignorava que estava em cena!
Esqueci-me das deixas mais importantes.
Era a altura de retirar e eu fiquei ali,
Eternamente estática, hirta ouvindo o silêncio!
Num palco deserto, as luzes apagadas
Esperava que me dirigisses um gesto, uma palavra
Mas afinal a arte trágica acabara no segundo acto!
E o que eu pensara ser um começo
Era o desfecho duma evidente peça de teatro!

Menção honrosa no concurso de poesia "Hora absurda" 2008
 
Autor
AnaMariaOliveira
 
Texto
Data
Leituras
1196
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
0 pontos
0
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.
Posts relacionados, Plugin for WordPress, Blogger...