https://www.poetris.com/
 
Poemas -> Amor : 

Afago demoníaco

 
Tags:  afago    teia  
 
Open in new window
























Tento libertar-me, mas não consigo
Dessa teia que em mim teçe
Sinto a seda escorrer no meu corpo
Envenenando a minha alma
Desse amargo-doce proscrito
Tento me libertar.
Mas…..não, não quero
Quero sentir
O afago demoníaco desses fios
Enrodilhados em labirínticos
Fios de prazer,
Porque assim te sinto
Na macieza desnuda
De te querer sentir

Escrito a 31/09/09
 
Autor
Liliana Jardim
 
Texto
Data
Leituras
1347
Favoritos
3
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
29 pontos
5
0
3
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Gyl
Publicado: 18/10/2009 00:32  Atualizado: 18/10/2009 00:32
Membro de honra
Usuário desde: 08/08/2009
Localidade: Brasil
Mensagens: 15162
 Re: Afago demoníaco
Lembrei-me de Teseu e Ariadne. Deve ser os fios tecidos ou os fios enrodilhados em labirínticos fios de prazer. Amei! Beijos!

Enviado por Tópico
rosafogo
Publicado: 18/10/2009 01:56  Atualizado: 18/10/2009 02:00
Colaborador
Usuário desde: 28/07/2009
Localidade:
Mensagens: 9599
 Re: Afago demoníaco
Quem cai na teia,
nessa teia do querer,
É difícil libertar-se.
Porque a dor é dor de prazer.


Beijinho
é meu favorito

rosa

Enviado por Tópico
Rogério Beça
Publicado: 18/10/2009 12:31  Atualizado: 18/10/2009 12:31
Colaborador
Usuário desde: 06/11/2007
Localidade:
Mensagens: 1598
 Re: Afago demoníaco
Ai os sentidos...

Afago é afago e que bem descrito.

Beijo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 18/10/2009 15:49  Atualizado: 18/10/2009 15:49
 Re: Afago demoníaco
Citando "Desse amargo-doce proscrito
tento me libertar."

Está tudo aqui... Não é preciso dizer mais nada.

Um abraço

Marialuz

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 09/11/2009 16:56  Atualizado: 09/11/2009 16:56
 Re: Afago demoníaco
Liliana,

quando me inscrevi no Site, confesso que não entendia as suas metáforas, e a de outrem. Ainda hoje sinto dificuldade, mas sou capaz de notar o quão belo é este poema.

Beijos

Ulysses