https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Searas de Solidão

 
Tags:  eça de queirós    R.Bolaño    Antero de Quental  
 
Searas de Solidão


Perco-me nas searas de trigo maduro,
já o sol incendeia o meu corpo por dentro.
Não lobrigo vivalma,tudo dorme
nesta terra de ninguém.
No horizonte errante dos meus dias,
um abraço firme e solitário no meu prazo:
eterna solidão. À minha volta os pássaros
bailam como folhas mortas,
e a seara está pronta para a ceifa.
Eu,espero que o sol me ilumine por dentro.


neno12119

 
Autor
poesiadeneno
 
Texto
Data
Leituras
1225
Favoritos
2
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
32 pontos
16
0
2
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Alexis
Publicado: 21/11/2009 22:40  Atualizado: 22/11/2009 03:47
Colaborador
Usuário desde: 29/10/2008
Localidade: guimarães
Mensagens: 7254
 Re: Searas de Solidão para poesiadeneno
muito bonita esta tua seara de solidão,plena de contrastes sublimes e inundada de natureza.adorei "os pássaros bailam como folhas mortas".e esse sol que arde,mas não ilumina.curioso como a solidão também pode ser (aparentemente) amarela...

beijo,poesiadeneno

alex

p.s.:sabes como sou curiosa e reparei na tua referência a bolaño.não conhecia...confesso a minha ignorância.depois de o descobrir acho que entendi melhor o teu poema...eça,antero e bolaño.o nome "política" está hoje um pouco (para não dizer muito)desgastado...mas nunca estarão os nobres propósitos,na ausência de hipocrisia.não te sintas só.há ainda quem tenha sonhos legítimos .muita gente tem fome de verdade e de justiça.que não se acanhem ou deixem desmoralizar os homens de bem.pois no dia que a esperança morra (e o sonho com ela )deixará de haver luz sobre a terra.e se a poesia te parecer vã,pensa outra vez...pois há gente por trás das letras.gente que ainda sente que ainda pensa e que ainda vive.


Enviado por Tópico
arfemo
Publicado: 21/11/2009 23:42  Atualizado: 21/11/2009 23:42
Colaborador
Usuário desde: 19/04/2009
Localidade:
Mensagens: 4812
 Re: Searas de Solidão
...as searas da solidão espelham no seu colo as nossa mãos: calejadas pelo medo ou incapazes (sem motivo?) da colheita...magnífico poema.

abraço fraterno
arfemo


Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 22/11/2009 00:09  Atualizado: 22/11/2009 00:09
 Re: Searas de Solidão
Engraçado que por vezes ficamos solitários numa multidão...parabéns pelo texto, lindo.


Enviado por Tópico
Liliana Jardim
Publicado: 22/11/2009 00:15  Atualizado: 22/11/2009 00:15
Luso de Ouro
Usuário desde: 08/10/2007
Localidade: Caniço-Madeira
Mensagens: 4522
 Re: Searas de Solidão
Tem dias que é assim poeta e o contemplar a natureza em constante transformação mitiga um pouca a nossa sólidão.

Gostei de te ler Neno.

Jinhos
Tudo de bom para ti


Enviado por Tópico
luciusantonius
Publicado: 22/11/2009 00:46  Atualizado: 22/11/2009 00:46
Colaborador
Usuário desde: 01/09/2008
Localidade:
Mensagens: 670
 Re: Searas de Solidão
Acredito que esse profundo mergulhar nas coisas que a natureza nos franqueia, façam com que o sublime foco solar nos restitua reformulada ânsia de vida.
Um abraço
Antonius


Enviado por Tópico
cleo
Publicado: 22/11/2009 01:52  Atualizado: 22/11/2009 01:52
Luso de Ouro
Usuário desde: 02/03/2007
Localidade: Queluz
Mensagens: 3857
 Re: Searas de Solidão
... e quando menos se esperar, o sol raiará por uma fresta da janela entreaberta, aquecendo a alma enregelada pelos dias longos de solidão impregnada até ao mais profundo do sentir...

Belo poema e bela imagem!

Beijo


Enviado por Tópico
AnaMartins
Publicado: 22/11/2009 13:51  Atualizado: 22/11/2009 13:51
Colaborador
Usuário desde: 25/05/2009
Localidade: Porto
Mensagens: 2221
 Re: Searas de Solidão
Todas as esperas dão frutos, Neno.

Um belo poema!

Beijo.


Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 22/11/2009 14:08  Atualizado: 22/11/2009 14:08
 Re: Searas de Solidão
poeta poesiadeneno. gostei desta prosa poetica cheia de imagens belissimas. a leitura deixou-me na mente um belo quadro bem emoldurado.

favorito

abraço