https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Mãe, fui brincar de astronauta.

 
Quando eu provar o sabor das nuvens,
Me lambuzar na aquarela boreal do cosmos
E tingir de cores a massa negra universal
Eu volto.

Não sem antes chegar ao fim,
Ao limite do infinito,
A fronteira entre o tudo e o nada,
Para contemplar o verdadeiro vazio.

Nadarei por entre as raias orbitais:
Derivando, velejando e divagando,
Apostando corrida com foguetes
A bordo de meu táxi-lunar.

Agora, só desço daqui amarrado.
Viagem sem volta só de ida:
Sem prazo nem tempo certo.
O jantar que me espere!

Cadê a graça que estava aqui?
Me sinto tão sozinho...
Aqui tem tanto Espaço...

E como que num passe de mágica
Voltarei pra casa por uma passagem secreta:
Um buraco-negro


Mário Piccarelli

 
Autor
Mario Piccarelli
 
Texto
Data
Leituras
2004
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
1 pontos
1
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 09/08/2007 16:49  Atualizado: 09/08/2007 16:49
 Re: Mãe, fui brincar de astronauta.
Qure poema tão irónico a reportar-se ao espaço.
Deve ser uma imagem fantástica aquando desse tipo de sonhos temos, para além da Vida normal que podemos desfrutar.
Parabéns.