https://www.poetris.com/
 
Prosas Poéticas : 

Retrato da memória (7)

 

Houve um tempo, no princípio da minha história, em que o mar para mim, era apenas e só uma mera miragem. Apesar das gravuras dos livros que me davam uma visão da forma e da cor, não lhe conhecia o cheiro nem o som. Por isso, imaginava-o na imensidão do horizonte, até onde o olhar não alcançasse mais, para lá dos limites da minha própria imaginação... fechava os olhos e deitava-me então à beirinha da água na areia molhada e entretinha-me a escutar o seu canto de tenor. Qual encantador de sereias, sedutor de ondas indefesas, que, maravilhadas com tamanho encanto lhe ofereciam o seu manto para que nele se embrulhasse no esplendor das marés, vindo-se desfazer por fim, em bolhinhas brancas e salgadas que me salpicavam a pele nua e adormecido num sonho...




*... vivo na renovação dos sentidos, junto da antiguidade das lembranças, em frente das emoções...»

Impulsos

coisa pouca

 
Autor
cleo
Autor
 
Texto
Data
Leituras
593
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
9 pontos
1
0
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 07/09/2010 11:50  Atualizado: 07/09/2010 11:50
 Re: Retrato da memória (7)
houve um tempo, houve...que só volta nas memórias.

gostei, cleo.

beijo