https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Embalar ... ao colo de minha Avó.

 
Num imenso viver d'angustias,
numa fria lembrança,
num ver-se-resisto que me cansa,
já é habitual o desamor!

E esse mal-sentir que é sentir-mal,
num já-nem-me-queixo, resignado,
coisa aos bocados, sem Passado,
fica um resto de memória entornada ...

- Foi ali Avó, naquela Casa!
Foi lá que tudo ocorreu!

- Óh meu filho, que persistencia a tua,
sempre a repensar, sempre a remoer ...

- Avó, é que um dia ... um dia ...

- Que estás tu a embalar?
Um Poema, uma Saudade,
um Amor que não volta?!

- Tudo isso minha Avó,
tudo isso e tanto mais,
numa fria-nostalgia ...

- Óh meu Neto!
Meu triste-Neto tão gelado ...
Vem ao meu colo que te embalo ...

Ricardo Louro

na estação do Estoril,
frente ao Mar ...


Ser Poeta é exilio
num pais de condenados
um tormento infinito
de mil olhos rejeitados!

Ricardo Maria Louro

 
Autor
Ricky
Autor
 
Texto
Data
Leituras
919
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
9 pontos
1
0
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
HelenDeRose
Publicado: 09/10/2012 00:12  Atualizado: 09/10/2012 00:12
Usuário desde: 06/08/2009
Localidade: Sorocaba - SP - Brasil
Mensagens: 2092
 Re: Embalar ... ao colo de minha Avó.
Saudade que deu da minha Nona (Italiana), ao ler seu poema, Ricardo.
Dias distantes, que vão nos deixando num vazio sem volta.

Abraço em você.

Helen.