https://www.poetris.com/
Crónicas : 

Há dias assim

 
De volta ao ninho, sonho com o sossego das luzes.
A casa amarrada ao homem do faz de conta, dá-me náuseas, por vezes não sei que lhe responda.
No fundo, sei que os botões não são dele, mas faz-se de importante e suga-me a felicidade toda.
Não nos dá descanso, é dona para ali, dona para acolá e pareço uma barata tonta a tentar perceber o lado da cobardia que se vê por um canudo.
Pelo menos nas férias os cavalos deviam caminhar a trote, com soluções mais ou menos exequíveis.
Deve existir uma solução, mas por mais voltas que dê no carrossel, não há magia que nos valha.

Não é pessimismo, é realismo puro e duro.
Se calhar, é o melhor, aqui jazem gafanhotos pestilentos, mas custa tanto abandonar o tempo.



Carolina

 
Autor
Carolina
Autor
 
Texto
Data
Leituras
92
Favoritos
2
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
38 pontos
12
5
2
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Gyl
Publicado: 11/08/2017 17:23  Atualizado: 11/08/2017 17:23
Membro de honra
Usuário desde: 08/08/2009
Localidade: Brasil
Mensagens: 12263
 Re: Há dias assim
É difícil interpretar o olhar do poeta. De volta ao ninho sonhando com o sossego das luzes deve ser o regresso ao lar, já de noite, após a labuta diária. Imaginei a casa amarrada ao homem do faz de conta. Concordo que os cavalos deveriam trotar durante as férias e lembrei dos gafanhotos pestilento no Egito. Mas isso é o que eu vi e senti. Creio que há textos que não exigem compreensão e sim que sejam sentidos e isso eu senti, creia-me. Um forte abraço e tenha um ótimo final de semana.


Enviado por Tópico
Zoso
Publicado: 11/08/2017 17:46  Atualizado: 11/08/2017 17:46
Super Participativo
Usuário desde: 09/05/2017
Localidade:
Mensagens: 110
 Re: Há dias assim
Bom demais essa coisa de saber escrever e conferir ao que se escreve tons e matizes inesperadas. Muito instigante essa forma de "dizer e não dizer" de expor e de esconder nas linhas e no meio delas os assuntos todos. Parabéns Carolina pela construção de uma excelente crônica.

Abraços


Enviado por Tópico
Semente
Publicado: 11/08/2017 18:05  Atualizado: 11/08/2017 18:05
Colaborador
Usuário desde: 29/08/2009
Localidade: Ribeirão Preto SP Brasil
Mensagens: 8053
 Re: Há dias assim/ PARA CAROLINA
Há pessoas assim mesmo, que nos sugam as melhores energias, as melhores disposições...

Se julgam os "bam bam bam" do ninho.
Esse "dona para ali, dona para acolá" doi revelador querida Carolina, e conheço muitos que usam desse tal canudo, falado no poema....Covardia porque são uns "zés ninguém".

Como disse o Gyl, eu também senti aqui, ao meu jeito de sentir.
Parabéns linda Carolina ...Bjossss


Enviado por Tópico
Rogério Beça
Publicado: 12/08/2017 11:31  Atualizado: 12/08/2017 19:17
Colaborador
Usuário desde: 06/11/2007
Localidade:
Mensagens: 1282
 Re: Há dias assim
É estranho que confundamos realismo com pessimismo embora saiba que não foi isso que escreveste. Olhamos muito a dureza da vida, o esforço, os dissabores. Péssimo não é?
Há certos cavalos que nas férias deviam abdicar do galope. Ou de ficarem parados a olhar o infinito.
Se te sugam a felicidade deves mudar a ordem ao botões, embora diga que se ta roubam, ao menos significa que a tinhas.

Voltaste ao ninho.
Após um poema de amor cândido, voltaste às entrelinhas, à ironia mas leve, muito leve.

Sempre muito fortes os teus textos.

Bj


Enviado por Tópico
johnmaker
Publicado: 12/08/2017 15:18  Atualizado: 12/08/2017 15:18
Colaborador
Usuário desde: 02/05/2016
Localidade:
Mensagens: 1057
 Re: Há dias assim
...se o sossego traz uma certa paz, é bem vinda, mas se , ao contrário cria desassossego, a mente exercita as horas e o coração simplesmente implora uma solução. O que nos leva de volta ao ninho; feche os olhos e encontre o sossego das luzes. parabéns.


Enviado por Tópico
martisns
Publicado: 17/08/2017 19:21  Atualizado: 18/08/2017 10:54
Colaborador
Usuário desde: 13/07/2010
Localidade:
Mensagens: 26466
 Re: Há dias assim
Todo um ser é visto por completo, mas nas aresta ficam aqueles que se prendem ao tempo dizendo coisas, são os incompletos que nunca irão se completar, não são si quer tocados pelos ventos,