https://www.poetris.com/
Poemas : 

COR DE PORCELANA

 



Início do fim.

O ruído d’água do chuveiro
abafou o choro ao aspergir com fúria.

Logo o vapor embaçou
o quadrilátero azulejado
turvando o testemunho.

Só o poeta em sua alucinação,
foi, e viu;
quando o silêncio quis chorar
aquele grito não dado.

Na borda côncava da louça,
o aço brilhava desembainhado
sobre a carta manchada de rubro
selando o impávido ato.

Quem;
agonizava sem arrependimentos,
graças aos barbitúricos ingeridos.

O corpo jazia entregue
numa nudez pálida, inerte,
e um sorriso macabro.

Os braços, abertos,
como se esperando o último abraço.
Neles, pulsos já sem pulso;
e deles, tênues filetes coagulados.
Restos irrecuperáveis de vida.
sem poesia.

Somente um quadro triste
pincelado de morte prematura,
havia...

Na tela; imagem na cor de porcelana;
morta, submersa na seiva aquosa
a esvair-se definitivamente
no destampar do ralo.

Árido fim.


 
Autor
ZESILVEIRADOBRASIL
 
Texto
Data
Leituras
72
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
8 pontos
0
0
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.