https://www.poetris.com/
 
Sonetos : 

No cantar do galo

 
Tags:  jardim    Cachoeira    escola.    chaleira  
 
No cantar do galo

Quando ia terminando a madrugada
O galo cantava e me acordava cedo
A cachoeira me falava algum segredo
Uma inspiração vinha quase do nada

A cachoeira continuava seu escarcéu
No fogão eu ouvia o chiar da chaleira
Na mesa, café e um chá de cidreira
E a fumaça da chaminé subia ao céu

Colibris esvoaçavam sobre o jardim
Eu pegava a minha sacola e assim
Saia pela estra para chegar à escola

Aproveitava para chegar lá bem cedo
Pois ao contrário eu ficava com medo
De não poder entrar do jogo de bola.

jmd/Maringá, 25.03.19


verde

 
Autor
João Marino Delize
 
Texto
Data
Leituras
306
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
6 pontos
4
1
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Gyl
Publicado: 25/03/2019 21:18  Atualizado: 25/03/2019 21:18
Membro de honra
Usuário desde: 08/08/2009
Localidade: Brasil
Mensagens: 15132
 Re: No cantar do galo
Saborosas reminiscências de algo que foi um dia mas que nunca morre dentro da gente. Muito bom João.

Enviado por Tópico
Juvenal Nunes
Publicado: 26/03/2019 11:05  Atualizado: 26/03/2019 11:05
Da casa!
Usuário desde: 28/07/2013
Localidade: Douro Litoral
Mensagens: 438
 Re: No cantar do galo
Poema saudosista que evoca, de forma lírica, o passado da infância. Poesia interessante e bem conseguida.

Juvenal Nunes

Enviado por Tópico
Volena
Publicado: 26/03/2019 12:25  Atualizado: 26/03/2019 12:25
Colaborador
Usuário desde: 10/10/2012
Localidade:
Mensagens: 12509
 Re: No cantar do galo P/João Marino Delize
Lembranças que são sempre companheiras das nossas vidas e como é bom lembrá-las! Gostei muito, abraço Vó

Enviado por Tópico
Migueljaco
Publicado: 26/03/2019 14:47  Atualizado: 26/03/2019 14:47
Colaborador
Usuário desde: 23/06/2011
Localidade: Taubaté SP
Mensagens: 9267
 Re: No cantar do galo
Bom dia João Marino Delize, teus versos enredam ao cotidiano de uma vida simples, porem intensa em todas as suas premissas regimentais, parabéns pelo vosso envolvente soneto, um abraço, MJ.