Poemas : 

bens de mão morta

 
à sua passagem
o mundo é desordem
e infinito
porque tem o hábito
de tudo guardar quanto foi doado
à morte e ao silêncio

que até poderia ser poesia
malgrado o porte solene
de quem torna a casa
e sublinha
todos os cadernos
de gavetas mal fechadas e

mal termina encontra
o sol a invadir os ecos
do piano
e as cinzas do último cigarro
ainda a fumegar

 
Autor
Benjamin Pó
 
Texto
Data
Leituras
200
Favoritos
2
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
22 pontos
0
3
2
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.