Sonetos : 

ROGANDO UMA PRAGA

 
Tags:  acidente  
 
Rogando uma Praga

Certa manhã, muito perto das oito horas e trinta, quando me dirigia para o local de trabalho, na Rua do Comércio, em Lisboa, ao tentar atravessar a rua de S.Nicolau, na qualidade de peão, com o sinal vermelho aceso, dei uma corridinha... só que em sentido contrário vinha uma senhora fazendo o mesmo. O choque foi-me fatal: caímos os dois. Eu fiquei por baixo e a dita criatura por cima do meu pé esquerdo. ELA levantou-se de imediato e desapareceu á procura do autocarro... eu, fiquei para ali caído no chão com uma fractura que me valeu "baixa " de três meses.

Ao chegar ao hospital, primeiro, e à Companhia de Seguros depois, todos queriam saber a matrícula do carro... ninguém acreditava na minha versão !

Daí a razão de ser da clonagem do Soneto de Camões "Alma minha gentil que te partiste..."

Ai alminha gentil que me partiste
um pé, tão cedo que ninguém viu,
não sei se foste embora, se fugiste...
ou foste para aquela que te pariu.

Se lá no autocarro onde subiste,
memória de mim te vier à mente,
não esqueças que nem toda a gente,
reage da maneira que reagiste.

E se vias que podia aborrecer-te
o estado em que o meu pé ficou,
mais me custaria a mim conhecer-te.

Rogo a Deus que de ti me não livrou
que bem cedinho venha a ver-te
mais partida do que eu agora estou !



José Mota

 
Autor
PoetaSenior
 
Texto
Data
Leituras
2194
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
2 pontos
2
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Tânia Mara Camargo
Publicado: 03/10/2008 14:11  Atualizado: 03/10/2008 14:11
Colaborador
Usuário desde: 11/09/2007
Localidade:
Mensagens: 4246
 Re: ROGANDO UMA PRAGA
rsrsrsrsrs, excelente poeta! Beijos!

Enviado por Tópico
ângelaLugo
Publicado: 03/10/2008 14:50  Atualizado: 03/10/2008 14:50
Colaborador
Usuário desde: 04/09/2006
Localidade: São Paulo - Brasil
Mensagens: 14852
 Re: ROGANDO UMA PRAGA p/ PoetaSenior
Olá poeta

Muito bom...
O sinal vermelho é para párar
mas assim, está cá um soneto para
alegrar...

Beijinhos no coração