https://www.poetris.com/
 
Contos -> Romance : 

AMOR AO VENTO

 
Tags:  histórias de viver  
 
O vento vinha sempre, em ritual fadado, àquela praia de mar sem medo. Ali era livre, arrebatava paixões às ondas inquietas, que morriam na areia em ânsias e rendas... ondas sem medo de eternamente buscar o seu amor, mesmo sabendo que ele nunca seria delas ou de ninguém...

Ela vinha sempre ao cair da tarde, quando o vento se erguia maior e as ondas lhe ensinavam a persistência ritmada das marés acesas. Ficava até as estrelas se acenderem, em apoteose silenciosa, ou até uma lâmina de vento a trespassar a frio. Ficaria sempre, porque sabia que o Amor viria no vento, o mesmo vento que encantava as ondas em cobiça ávida, numa condenação perpétua de não ser de ninguém... talvez, pensava Ela para justificar essa certeza, talvez fosse missão redentora do vento trazer-lhe, ele próprio, o Amor...

Nessa tarde a areia limpava as lágrimas da maré cheia e roubava do sol oblíquo poalhas de ouro quente. Ela chegou e desafiou o vento, que lhe roubava o ligeiro perfume da pele e lhe acariciava, insolente, os cabelos soltos. E as ondas, em esforço vão, morriam na praia, tão longe de alcançarem o amor do vento...

Ela nunca soube de onde veio aquele poema de amor. Encandeou-a o sol, confundiu-a a brisa, um instante absorveu-a... e de súbito, aquele poema, quase carta de amor,
à deriva na areia, desafiando-lhe o alcance. Olhou em volta e tomou-o seu, sem saber que era um pedaço de Amor.

O vento pareceu parar de repente, para ler também. Ela sentou-se e releu mil vezes, e de cada vez que o lia, o sentia mais e mais seu, para si. Eram só palavras, escritas a azul, mas ela conseguia ver nelas todas as cores do universo. Palavras vivas, que a tocavam, lhe ciciavm melodias, a envolviam de calor, a tomavam em coreografias estonteantes...

Ao outro dia voltou e o vento voltou, e outro poema-carta voltou a cair-lhe, rendido, aos pés.
Outras tardes vieram, e com elas pedaços de um sentimento que ela tornava seu.

...até que o vento o trouxe a Ele - o Poeta insatisfeito, o espalhador de ilusões, o artesão do Amor.. Chegou em passo brusco, ira nos olhos, ricto cruel a fechar-lhe os lábios. Arrancou-lhe o poema dessa tarde das mãos, que ela ainda nem sequer tivera tempo de sentir seu. Chamou-lhe usurpadora, violadora de direitos e de correspondência (ele escrevia aquelas cartas-poema a um amor-que-havia-de-vir no vento, não a Ela!!), profanadora de sentimentos alheios. O olhar dele caíu como um punhal na curva dos seios dela, onde um atilho de seda vermelha apertava os manuscritos anteriormente achados. Foi o culminar da fúria dele. Num gesto brusco extirpou-lhe o acarinhado rolo de folhas presas e acusou-a implacavelmente. Ao primeiro impacto ela vacilou, coloriu-se de embaraço, tremeu de ressentimento, temeu a ofensa. Depois cresceu nela um ímpeto de guerra, uma defesa exacerbada, uma hostilidade acesa - quem pensava ele que era, para a ofender assim?!... quem lhe dava o direito de lhe roubar o que era dela por destino?... quem o autorizava a achar-se dono de algo que o vento lhe trouxera?...
E se assim lho trouxera, era porque era do destino, não dele, não dele. Se ao vento as tinha dado, ao vento pertenciam, que por sua vez tinha o direito de as oferecer a quem lhe estivesse de feição!...
Ele ouvia-a atónito, apanhado duma surpresa maior que a dela. O sol tardio parecia servir-lhe de guarda-costas, entrincheirado a oeste, e recortava-lhe a imagem delicada e ao mesmo tempo poderosa, num halo de ouro sublimado.

Só o vento sabe o que se passou depois - alquimia, talvez. Talvez, apenas, Poesia.
Dizem que foi um golpe preciso da sua força dinâmica que os empurrou um para o outro e lhe colou os corpos, num roçar de sensações reveladas. O beijo nasceu de dentro, cobrindo a terra de pudor e o céu de rubor.

O vento não é de ninguém... do amor só sabe o perfume e o sentido... As ondas souberam-no nesse instante e desistiram finalmente dele, rendendo-se à paixão do sol, que as penetrou para uma noite sem vento.


.
.
.


Teresa Teixeira


 
Autor
Sterea
Autor
 
Texto
Data
Leituras
2732
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
15 pontos
3
2
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 05/06/2016 20:46  Atualizado: 05/06/2016 20:46
 Re: AMOR AO VENTO
Oxalá que as pessoas compreendessem que assim como o vento... O amor não pertence a ninguém, ele vem para quem o acolher e dispõe-se a doar sem delongas e sem receios.

bjs

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 06/06/2016 12:49  Atualizado: 06/06/2016 12:49
 Re: AMOR AO VENTO
Engraçado.
Da Cidadela dos
Teixeiras
De vento entendo eu pois voo.
Agora.
Naveguei com o seu texto.
Pra lá de bom.
Muito bem elaborado, com uma história robustecida de detalhes, parabéns, prometo ler mais obras suas.
Bravos poeta.
Esteja na paz e ficar bem.
PG