https://www.poetris.com/
 
Poemas -> Reflexão : 

Cinquenta cêntimos

 
No nevoeiro da dúvida frio e escuro,
com um receio assustadoramente atroador,
lá se foram vincando algumas (mais atrevidas) questões.
Porquê mundo? Porquê amor?
Porquê tudo suave? Porquê tudo tão duro!?

Veio um e disse-me:
“Amor?
Vale pouco ou mesmo nada.
Agora faz-me lá um favor
e traz-me uma bem gelada.”


Não quisesse eu um esclarecimento
que me iluminasse o pensamento,
Permaneci.
Obstinado e pertinaz na certeza da minha perplexidade.

E outro:
“Numa situação tão atribulada
onde pouco tempo me resta,
(e o que sobra já não presta)
para tratar de tanta papelada,
vens-me tu melgar a cabeça
- a mim, que estou com pressa –
falando-me de um tal de amor,
essa história que já sei de cor?
Pega lá uma esmola
e vê lá se dás à sola!”


Dormente.
Estava dormente.
Dor. Mente. Doía-me a mente.
Procurava quem soubesse o que sente!

Até que veio outro e disse:
“O mundo? Esse é mero
Amor.
Aceite ou não o senhor,
cinquenta cêntimos o seu valor
mais que isso: exagero!”



Rui Gomes

 
Autor
RGz
Autor
 
Texto
Data
Leituras
697
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
0 pontos
0
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.