https://www.poetris.com/
 
Sonetos : 

RUANDA NUNCA MAIS

 
Corpos mutilados, à força da catana;
Membros decepados e cotos cuidados
À pressa, que já lá vem o sacana,
De arma na mão e olhos enviesados;

Mais a milícia e toda a sua propaganda,
Arrastando velhos, destrambelhados;
Mulheres violadas, de seu nome, Ruanda,
Com os filhos ao colo – degolados;

Corpos enforcados, entornados no chão;
Assassínio em massa, na cidadela;
Crianças chorando por um pouco de pão;

Poder-se-ia chamar, Kafur, a esta aldeia,
Tal o protagonismo que tomou conta dela,
Mas foge de mim toda e qualquer ideia.


Jorge Humberto
21/09/07







 
Autor
jorgehumberto
 
Texto
Data
Leituras
1634
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
0 pontos
0
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.