https://www.poetris.com/
 
Sonetos : 

Soneto do mito-concreto

 
.
.

Open in new window






.
.
.




Mas depois que ninguém veio, calou a voz antes altiva,
pois que ledo bebeu dos sonhos do passado proscrito;
a nenhum pensou; brilhou através dela, a efígie cativa,
brandindo reflexos na imensidão da alma por quesito.

Contrito, sentindo-se vivo, mas algo já triste, secreto,
negou-se à felicidade do amor aos próximos bisonhos;
tentando sair de si, da desgraça própria de ser epíteto
de todo seu mundo arquitetado espelhado nos sonhos.

Que será que ilustra de perto, será primaz assertiva,
de aflitiva vida estará no seio que indefeso encerra,
fenômenos tais dos vórtices que gratificante motiva?

O entusiasmo e emoção, quiçá lágrimas, mito-concreto,
pois se havia tergiversado no caminho, a boca cerra,
evidente sem sol nas tempestades frequenta obsoleto.

 
Autor
ReflexoContrito
 
Texto
Data
Leituras
236
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
2 pontos
2
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 04/01/2016 19:20  Atualizado: 04/01/2016 19:20
 Re: Soneto do mito-concreto
cónópitinipó

azêlómanó
cócó

riri
pipi

chichi

ó timónicó

aióó

chi
chi

éminó
pitó