https://www.poetris.com/
Sonetos : 

FANTASMAGÓRICO

 
Tags:  SONETOS 2010  
 
FANTASMAGÓRICO

Sinto inundar-me o halo de luz vinda
Da lua por desoras no meu leito.
Célere me acelera agora o peito
Com que saúdo a morte em vida ainda.

A despeito de minha história finda,
Não vejo o que fazer de qualquer jeito:
A morte é antes facto que conceito,
Muito embora quimera; embora linda...

De que me vale ser sem minha carne?!
Como alegrar-me em ser eterno e etéreo?!
Em meio a luzes feitas de mistério,

Qu’eu faleça, ou melhor, qu’eu desencarne!
Seguindo para a luz, transcenda enfim,
Enquanto eu me deixar de ser em mim.

Betim - 11 11 2010


Ubi caritas est vera
Deus ibi est.


 
Autor
RicardoC
Autor
 
Texto
Data
Leituras
187
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
2 pontos
0
1
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.