https://www.poetris.com/
 
Olhos fechados
Medo de ver o que acontece a sua volta.
Choras na escuridão da noite
E se entrega a uma revolta.
Na luta solitária que travas
Com seus próprios demônios
Não consegue visualizar uma saída
Para o desespero da alma.
Incompreendido pelas circunstâncias
Que o levam ao desespero
Não se conforma com os acontecimentos
Que tiram o seu sono.
É preciso haver uma fuga
Uma libertação das amarras que o prende
Fugir para longe
Do que o faz esquecer de que tens uma vida.
No despertar da fúria
Tenta encontrar uma força que o liberte dessa dor
Sem perceber que essa força existe em si mesmo
No mais profundo de seu ser.
Caminhaste com seus próprios pés a essa situação
E, com os mesmos pés deverá se libertar.
Não é vergonha dar passos de volta
E recomeçar de onde errou.

Poema: Odair José, Poeta Cacerense

 
Autor
Odairjsilva
 
Texto
Data
Leituras
81
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
10 pontos
0
1
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.