https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Rendição ao tinir dos tostões

 
Open in new window
Que doloroso
Galgar o monte
E ver o vento a soprar
Dos olhos que não seus!

Olhos vazios,
Olhos que dão nomes
Aos nomes
Que não são seus

Olhos de verdade gasta.
Olhos miúdos,
Escondidos atrás da razão,
Que a razão desconhece

Olhos do além-túmulo.
Oh, que vergonha!
A razão vive longe da verdade,
No dizer da gente do povo

Olhos veem a verdade
Coração regista a razão,
A alma rejeita o poder da decisão
E a verdade morre precoce

Viúva, vive a razão,
E de boca às mãos dos homens,
Vai-se pecando aqui e acolá
Sem mão dura da convalescente advocacia

E, dos olhos
Que não são seus nem meus,
Nasce impunidade às portas dos tribunais,
Rendidos ao tinir de tostões

Adelino Gomes-nhaca


Adelino Gomes

 
Autor
Upanhaca
Autor
 
Texto
Data
Leituras
330
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
13 pontos
1
2
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Upanhaca
Publicado: 23/09/2022 18:25  Atualizado: 23/09/2022 18:25
Colaborador
Usuário desde: 20/01/2015
Localidade: Sol Poente
Mensagens: 7607
 Re: Rendição ao tinir dos tostões
A verdade de hoje,
baseia-se no fruto da cobiça
dum viver alcançado
à sombra do encontro das mãos

Open in new window