https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

e tu, para sempre, tu.

 
eras novo ainda, penso enquanto rasgo a tua foto,
querendo que fosses tu a rasgar-me por dentro,
não onde me rasgavas, mas de onde não te apago.

apagar a luz,
voltar a ouvir o motor sorrateiro,
pensar em ver o fogo do teu olhar,
faz com que me cresça a fome entre as pernas.

escassas horas que ficaram na eternidade morta do meu corpo,
que treme como tu tremias, quando os meus lábios se queimavam ao sol.

e o teu sorriso,
as sedas a dançar na praia,
os morangos no mel do teu quintal,
como apagar?

são tudo fotografias de um mar de memórias, bem sei.
mas pegar nas crianças, sair à rua,ver os jardins,
é matar-me, matar-me mais, como se ainda fosse possível
matar toda a vida que fizeste nascer dentro de mim.

e agora, vou fazer o jantar para o meu marido?
acariciar-lhe a impotência?
comprar a amizade das empregadas?
eram estes os sonhos que me escrevias todos os dias?

eras novo ainda, bem sei.
chegaste descalço, vestido com a cumplicidade dos gatos,
a lamber as janelas da noite da minha vida e foste o homem,
o príncipe que nunca tive.

fizeste de mim a adolescente que esquecera
e que agora voltara às tardes de paixão da secundária de cascais.

dias a contar os minutos da exacta hora do teu estacionamento
em frente ao quarto do meu corpo, encheste-o de lua cheia e partiste,
para onde as estrelas se despenham, mas continuaste a brilhar,
penso que pelo prazer de me ofuscar.

eu fugi, fugi de mim, subi ao primeiro andar e fugi para longe, durante três meses,
mas cansada de inventar ausências, procurei-te em todas as ruas, atravessei dois oceanos
só para ver os teus olhos rodeados de corpos nus e palmas, muitas palmas.

eras novo ainda, mas quando foste, levaste contigo a minha vida quase toda,
não fossem os pequenos que dormem lá em cima, o resto dela é este fogo
que vai morrendo à minha frente e só ficam, só ficaram as cinzas, e tu, para sempre, tu.

 
Autor
anareis
Autor
 
Texto
Data
Leituras
988
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
19 pontos
11
0
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 20/09/2008 22:48  Atualizado: 20/09/2008 22:48
 Re: e tu, para sempre, tu.
É um poema de revolta. Se isso é real como pode existir verdadeiroamor?
O amor requer paz e harmonia!
Não podes buscar o passado para alegrar-te o presente.
Pensa antes do mais nas crianças!
Não olhes para trás; olha em frente!
Continua o teu caminho...

Beijo solidário


Enviado por Tópico
Bruno Sousa Villar
Publicado: 20/09/2008 23:06  Atualizado: 20/09/2008 23:06
Super Participativo
Usuário desde: 09/03/2007
Localidade:
Mensagens: 122
 Re: e tu, para sempre, tu.
Um poema violentamente belo,como só a vida é.


Enviado por Tópico
LuísNunes
Publicado: 20/09/2008 23:27  Atualizado: 20/09/2008 23:27
Super Participativo
Usuário desde: 24/03/2008
Localidade:
Mensagens: 105
 Re: e tu, para sempre, tu.
Depois de um conselho e um comentário, um reparo para dizer que me parece que onde tens "continuas-te" quererias dizer: continuaste. Espero que não me leves a mal. Quanto ao poema muito bom, cheio de vida, como ela é: cruel.


Enviado por Tópico
MariaSousa
Publicado: 21/09/2008 14:13  Atualizado: 21/09/2008 14:13
Membro de honra
Usuário desde: 03/03/2007
Localidade: Lisboa
Mensagens: 4096
 Re: e tu, para sempre, tu.
Olá Ana,

Gostei muito do poema.
Dum realismo quase cruel.

Pena que a história acabe e o personagem volte ao comodismo rotineiro. Bater com aporta também faz parte da vida...

Bjs


Enviado por Tópico
António MR Martins
Publicado: 02/10/2008 23:24  Atualizado: 02/10/2008 23:24
Colaborador
Usuário desde: 22/09/2008
Localidade: Ansião
Mensagens: 5064
 Re: e tu, para sempre, tu.
Fantástico texto poético. Pleno de frustrações, de sentimentos não concretizados, de contacto não duradouro... ficaram os miúdos (mas de quem são os miúdos?)...
Este texto é um portento da escrita.
Parabéns!!!

Enviado por Tópico
asv
Publicado: 20/05/2009 12:21  Atualizado: 20/05/2009 12:21
Super Participativo
Usuário desde: 14/02/2008
Localidade:
Mensagens: 106
 Re: e tu, para sempre, tu.
São cruéis as vidas de uma vida
ora cheia ora pequena
nos lirismos cortantes
da voz que se derrete
violentamente
dos fluidos mascados
sem amanhã
das pernas por abrir
mas com vontade
da impotência acariciada
mas azeda
do teu corpo feito quarto
mas sem voz

Enviado por Tópico
jsaugusto
Publicado: 17/03/2011 17:15  Atualizado: 17/03/2011 17:15
Da casa!
Usuário desde: 12/02/2011
Localidade:
Mensagens: 425
 Re: e tu, para sempre, tu.
Incrivelmente lindo seu poema! a vida relatada com seus detalhes! fantastico adorei ler seu poema! parabéns

Jorge