https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Crucificado

 
Já tenho o corpo, a alma e o espírito marcados.
Meu peito ao menos jaz a certeza de algo
que me traz o alívio de noites e dias escarnados.
Estou na Avenida Rio Branco aos uivos e lágrimas
por estenderem meu corpo nu, num crucifixo deitado.

Policiais homossexuais e juizes ditadores
agarram-me com unhas de quimeras e leões
e chupam de minhas chagas todas as malditas dores.
Me coroam como um índio-branco sem sermões
me recordando de que na vida não tive muitos amores.

Os pregos. Ah, os pregos...
pregos... Três ao menos?
Enferrujados... Como pode?
Olhem a bandeira brasileira!
Ele aguenta? Será? Como?
Os pregos!!! Ah...

... Invadiram minha carne ressecada
onde outro escravo da teia do sistema
deferiu sem piedade as marteladas.
Chorei com um olho só.
Chorei pelos pombos-sem-pena
que vagaram trôpegos a observar meu julgo.

Então, ergueram minha cruz na Praça Cinelândia
com uma singela placa: "Aqui jaz um coitado!"
Aplaudiram um novo programa amental televisivo,
enquanto eu morria onde não era a Disneylândia.
Num poste da "Light"* crucificado
com um tênis sem marca corrosivo!


Rio de Janeiro, 15 de abril de 2002.
Open in new window


*Light - empresa de energia elétrica fornecedora do estado do Rio de Janeiro.

Meu Blog: www.romulonarducci.blogspot.com

Blog do movimento Tavernista: www.evoetaverna.blogspot.com

 
Autor
RomuloNarducci
 
Texto
Data
Leituras
356
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
0 pontos
0
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.