https://www.poetris.com/
 
Poemas -> Sombrios : 

Astros cadentes

 
Tags:  almas    inferno    umbrais    torturadas    ceifadores  
 



É o estertor das pobres almas torturadas,
a visão das míseras criaturas atormentadas,
frágeis sombras mortais que despojadas,
só gemem, só choram mesmo abrigadas,
sob um pálio grandioso, dossel prodigioso,
de estrelas fulgentes num céu misterioso.

Mas estão longe desse brilho chamejante,
que vislumbram com o olhar suplicante,
estão além do cobiçado esplendor eterno,
mas perto de todos umbrais do inferno,
para onde caminham como almas sem siso
condenadas que foram após o lícito juízo.

E o sangue das suas proles escorre,
a rubra seiva preciosa, que corre,
brotando célere, até ao reverso,
jorrando de berço vil e perverso,
fulgurante na luz das candeias,
deixando as cânulas ceifadas, as veias,
abertas por lâminas nefandas e cruéis,
manejadas por funestos e carnífices algozes,
que riem ao som de malditos menestréis,
e dançam em ritos, despindo podres albornozes.

São ceifadores de almas, entes que crescem,
sempre trazendo com eles tormentos atrozes,
são bestas satânicas ignóbeis e ferozes,
reduzem os corpos a carcaças que só padecem,
a monturo das pobres carnes humanas perecíveis,
mas que toleram tantas torturas mais que possíveis.

A alma pecadora geme, geme e chora,
alheia a tudo mais que ocorre lá fora,
num arrepiante sofrer, pavor horrível,
num intenso tormento, sádico e visível,
padece mesmo sob esse imenso dossel,
teto de estrelas fúlgidas, solene pálio,
essas luzes tão chamejantes no céu,
mas que agora apenas olham de soslaio.

Nessa dor, nesse transe agoniado,
pesar que se abate no ser desgraçado,
pavor consternado nas almas dos crentes,
que suportam a aflição dos martírios ingentes,
todas as estrelas agora são elas inocentes,
são espectadoras do pavoroso tormento,
são apenas meros astros cadentes,
agora sem luz própria, sem um lamento,
que brilham acalentando dolentes,
todo ferozes sofrimentos prementes.

by ArysG@ioV@ni

 
Autor
ArysGaiovani
 
Texto
Data
Leituras
1101
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
15 pontos
5
1
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Liliana Jardim
Publicado: 03/03/2012 21:07  Atualizado: 03/03/2012 21:12
Luso de Ouro
Usuário desde: 08/10/2007
Localidade: Caniço-Madeira
Mensagens: 4550
 Re: Astros cadentes
Ola Gaiovani

Normalmente não gosto de ler poemas tão sombrios
Mas este adorei

Benvindo ao luso

Espero ler mais da tua poesia, poeta

Beijinhos
Tudo de bom para ti


Enviado por Tópico
Setedados777
Publicado: 23/03/2012 15:54  Atualizado: 23/03/2012 15:54
Da casa!
Usuário desde: 23/03/2012
Localidade:
Mensagens: 280
 Re: Astros cadentes
A transfiguração da beleza dos astros no predomínio do sofrimento humano, é na mais alta das lamentações, o intenso poder das suas manifestações que nos observam sem o peso da verdade contida em nossa carne, mas que no em si de cada um sofre a mesma dor sem culpa. Somos a força da alma transmutada em um só elemento: O tempo da misericórdia que existe na própria essência da vida. Sua obra é de um teor interno impecável...! Abraços e obrigado! Leremo-nos...

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 16/11/2015 10:41  Atualizado: 16/11/2015 10:41
 Re: Astros cadentes
Creio que algumas dessas imagens são herança de um sugestão das antigas religiões que tomaram de assalto a vez e a voz da cerne familiar, para isentar e proteger a mente da futura geração.

Sei disso pelo fato de ter crescido ao som,no tom e compasso dessas imagens.

Eram aterrorizantes... Mas hoje consigo compreender, assimilar, aceitar e de certa forma,gostar.

Controverso... Mas vi aqui o retrato de um inferno que já existiu em minha mente.

Enviado por Tópico
cido
Publicado: 20/03/2016 15:39  Atualizado: 20/03/2016 15:39
Super Participativo
Usuário desde: 29/07/2009
Localidade: cidade de Cerqueira Cesar
Mensagens: 183
 Re: Astros cadentes
Muito bom, da ora...

A alma pecadora geme, geme e chora,
alheia a tudo mais que ocorre lá fora,
num arrepiante sofrer, pavor horrível,
num intenso tormento, sádico e visível,
padece mesmo sob esse imenso dossel,
teto de estrelas fúlgidas, solene pálio,
essas luzes tão chamejantes no céu,
mas que agora apenas olham de soslaio.


muito bom...