https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Abalando rumo ao Alentejo

 
Abalando rumo ao Alentejo

Atravessando a ponte
o rio prometia-me visões singulares
num céu de azuis imensos à minha volta
as mais belas nuvens ali formadas
sem qualquer regra em suas formas
por ali magestosamente se perfilavam

e eu agradeço aos céus pelas nuvens
agradeçendo aos céus a própria visão
eu agradeço aos céus a luz do sol
eu agradeço aos céus a sensibilidade
de poder disfrutar destes tantos sentires
numa imensa alegria pela beleza de tudo
o que me rodeia e me enleva em paixão

as nuvens são leves sonhos que viajam
como o meu sonho viaja onde eu for
e a chuva poderá saciar todas as terras

em palavras eu imito a chuva tentando
saciar quem as puder sentir e ler,
assim eu partilho os meus sonhos e alegrias

mas em todos os meus gestos uma certeza:
olhando rente ao horizonte eu ergo os meus olhos
deparando-me com a luz da mais bela estrela

e essa estrela és tu amor, porque me sabes fazer tão feliz.

Eureka, 18 Novembro 2015



Eureka

 
Autor
Eureka
Autor
 
Texto
Data
Leituras
572
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
38 pontos
18
6
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 21/11/2015 11:16  Atualizado: 21/11/2015 11:16
 Re: Abalando rumo ao Alentejo
Belas visões tão grata por vires ,sentires
Belas palavras, belo e o amor!
Gostei querida Eureka beijinho


Enviado por Tópico
Mario
Publicado: 21/11/2015 15:53  Atualizado: 21/11/2015 16:06
Super Participativo
Usuário desde: 20/09/2014
Localidade:
Mensagens: 113
 Re: Abalando rumo ao Alentejo
Eureka, Eureka...

Estrelas há muitas, eu prefiro ser um Sol.
Teu poema é lindo.
Beijos querida
M.


Enviado por Tópico
Volena
Publicado: 21/11/2015 16:10  Atualizado: 21/11/2015 16:10
Colaborador
Usuário desde: 10/10/2012
Localidade:
Mensagens: 12439
 Re: Abalando rumo ao Alentejo P/Eureka
Amiga que bonito poema, o céu é de estrelas no Alentejo não admira que encontrasse essa assim tão singular! Beijinhos grandes Vólena


Enviado por Tópico
Jmattos
Publicado: 22/11/2015 11:25  Atualizado: 22/11/2015 11:25
Colaborador
Usuário desde: 03/09/2012
Localidade:
Mensagens: 15984
 Re: Abalando rumo ao Alentejo
Eureka
Que belo poema! Parabéns!
Beijos!
Janna


Enviado por Tópico
Upanhaca
Publicado: 22/11/2015 13:42  Atualizado: 22/11/2015 13:42
Colaborador
Usuário desde: 21/01/2015
Localidade: Sol Poente
Mensagens: 6296
 Re: Abalando rumo ao Alentejo
Boa tarde, Eureka!

Alentejo terra dos sóis
terra da lavoura
terra da fartura
que faz da sua beleza, girassóis

Lindo poema seu, adorei-parabéns.
Abraço!
upanhaca


Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 24/11/2015 13:33  Atualizado: 24/11/2015 13:33
 Re: Abalando rumo ao Alentejo
há muito amor e leveza no teu poema. o Alentejo, a região mais bela de Portugal! parabéns e um abraço


Enviado por Tópico
Semente
Publicado: 24/11/2015 20:44  Atualizado: 24/11/2015 20:44
Colaborador
Usuário desde: 29/08/2009
Localidade: Ribeirão Preto SP Brasil
Mensagens: 8696
 Re: Abalando rumo ao Alentejo
Amada Eureka, quem escreve com qualidade essa alegria intrínsica e, com esse espírito de gratidão à vida, como tu, oferece-nos não só belos versos, uma poesia encantada, mas oferece também aqueles traços tão bonitos de caráter e de personalidade de alma, tão visíveis no texto!

Muitos parabéns, amiguinha, te admiro muito o talento e a beleza de alma!

Beijinhos doces!!


Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 29/11/2015 15:53  Atualizado: 29/11/2015 15:53
 Re: Abalando rumo ao Alentejo
Sabe, toda vez que leio-te lembro-me das poesias dos meus amigos Poetas de Moçambique em Maputo, o estilo poético é tão semelhante, amoooooooooo!


Enviado por Tópico
martisns
Publicado: 30/11/2015 10:55  Atualizado: 30/11/2015 11:00
Colaborador
Usuário desde: 13/07/2010
Localidade:
Mensagens: 29152
 Re: Abalando rumo ao Alentejo
Encanto que vem dos ventos tocados pelas nuvéns, numa emancia que as cores se completam, totalmente, vindo de nossos olhos aqueles sentidos a procura dos emantes gestos.