https://www.poetris.com/
Poemas : 

Último Voo

 
Do fim era apenas o início.
Era outro corpo que caía
No fundo de um precipício
De onde ninguém mais saía.

O último voo daquela cotovia.
Daquele corpo era o princípio,
Era o recomeço numa outra via,
O término do eterno suplício.

Um corpo num monte de entulho
Repousa no escuro da eternidade
Sem ter ninguém que o procure.

Assim todos damos um mergulho
Um dia para o outro lado da verdade.
Entretanto não há verdade que dure.




Gyl Ferrys

 
Autor
Gyl
Autor
 
Texto
Data
Leituras
105
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
4 pontos
2
1
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 08/04/2020 17:54  Atualizado: 08/04/2020 17:54
 Re: Último Voo
já uma querida amiga dizia: não matem a cotovia. pois... há pássaros que de facto fazem a diferença. o último normalmente é o primeiro e eu odeio dizer lugares-comuns mas, de facto. um senhor que eu conheço anda desde o primeiro dia a dizer, este foi o último, esta foi a última. mas daí a perder a vida que perderá qualquer dia... enfim. melhor que ir ao pito é somente fazer amor. concordas. não--- please