https://www.poetris.com/
 
Prosas Poéticas : 

Ensejo

 
Quando uma dia amor, ofegante
Fostes o teu ser a outro ofertar e,
Pensares n'outro amor, que aprendeu
Te lembras que n'outro, o amor era eu
E com ele, amor, lhe ensinei a brincar.
Quando um dia amor, lentamente,
Debruçares o teu corpo
Por sobre algum corpo e se entregar
Te lembras que no teu corpo fiz-me alma
E se puderes, divisar silêncio,no olhar
Vais entender onde se fez em ti a calma
Serenizada, por sobre os dedos, recostar.
Quando uma dia amor, na canseira
Em meio ao lago da dor
Sufocada, por outro ser sofrer
Te lembras que sofri palor
E onde se perdeu a vida, vê?
Para mim, perdeu-se em ti
Desde então mal sei o que sou
Sei que punge, ser sem vida, sofri
Em desdita vida, a vida terminou...






"Morremos gestantes da ansiedade que nada espera."

 
Autor
Junior A.
Autor
 
Texto
Data
Leituras
771
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
1 pontos
1
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
jsaugusto
Publicado: 09/03/2011 23:09  Atualizado: 09/03/2011 23:09
Da casa!
Usuário desde: 12/02/2011
Localidade:
Mensagens: 425
 Re: Ensejo
Adorei seu poema, muito lindo! parabéns


Abraço
Jorge