https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Outra história igual às de verdade

 
Despida de desejos,
Vestia caprichos
E atirava beijos mortos
Em acenos de ceptro,
Nus e quadrados.

Abeirou-se da populaça
Com esgar de troça
E sentou-se de olho cruel,
Feita dona da raça,
No seu trono de couro.

Um silêncio eloquente
Brotou da alma da gente
Que miserava impotente
Por castradoras sevícias
Suportadas sem opção.

Perdia-se o clamor
Naquela encenação
Em que um réu nado rês,
Com sentença e sem porquês
Tinha fado escrito por lei.

Num bocejo natural
A qualquer hábito verdugo
Resumiu-se o momento
À decoração do jugo
Pelo vermelho de um lamento.

Valdevinoxis


Nas troikas não há camaradas e da camaradagem não nascem troikas.


 
Autor
Valdevinoxis
 
Texto
Data
Leituras
459
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
2 pontos
2
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Adriano Saraiva
Publicado: 18/05/2007 17:28  Atualizado: 18/05/2007 17:28
Da casa!
Usuário desde: 17/05/2007
Localidade: Brasil
Mensagens: 204
 Re: Outra história igual às de verdade
Um belíssimo versejar!

Enviado por Tópico
Mel de Carvalho
Publicado: 18/05/2007 21:02  Atualizado: 18/05/2007 21:02
Colaborador
Usuário desde: 03/03/2007
Localidade: Lisboa/Peniche
Mensagens: 1562
 Re: Outra história igual às de verdade
Meu amigo Val,
Gostei de verdade, desta história original
em que, por estranho pareca e até banal,
os beijos de bocas eram mortos e tal...
E que se despiram desejos de carne
no ceptro e no repto, no pecado fatal ...

***
Gostei sim senhor, Senhor Val/"valeu ..."
Beijitos da Mel