https://www.poetris.com/
 
Poemas -> Reflexão : 

Travessia

 
Não sabes de onde vim,
Nem como sinto as trevas dilaceradas do teu corpo sobre mim.
Não entendes a vaga indiscrição
Que se mistura no labirinto dos meus sentidos,
Como suave torpor de ausências solitárias
Que se prendessem no eco da minha devastação.
Não me conheces,
Mas pareces ver para lá dos recessos da minha noite,
Invadindo as pontes da minha miragem secreta
E em sangue trespassando todos os meus labirintos
Num derramar de essências desperdiçadas sobre o abismo.
Nunca me viste,
Nem mesmo conseguiste encontrar a minha presença nos passos da noite
Que me envolvia em divagações sinistradas
De espectral fenecer,
Mas invadiste todas as eras do meu caminho cerrado
E derrubaste as muralhas da minha solidão
Com a imensidade do teu infinito de luz.


Semper Fidelis...

Carla Ribeiro

 
Autor
Carla Ribeiro
 
Texto
Data
Leituras
898
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
4 pontos
4
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 25/04/2009 17:11  Atualizado: 25/04/2009 17:11
 Re: Travessia
Carla,
Gostei muito do teu poema. E penso que é extraordinária esta mensagem de encontro.
Parabéns,

Paulo Galvão

Enviado por Tópico
Henricabilio
Publicado: 25/04/2009 20:38  Atualizado: 25/04/2009 20:38
Colaborador
Usuário desde: 02/04/2009
Localidade: Caldas da Rainha - Portugal
Mensagens: 6963
 Re: Travessia
Só mesmo o Amor para dar Luz à nossa existência, Saibamos desfrutar. Um abraçooo! Abíl!o

Enviado por Tópico
(re)velata
Publicado: 25/04/2009 20:48  Atualizado: 25/04/2009 20:48
Colaborador
Usuário desde: 23/02/2009
Localidade: Lagos
Mensagens: 2181
 Re: Travessia
E assim se fez dia!

Muito lindo o teu poema, Carla. Disse-me muito.

Um beijo

Enviado por Tópico
SofiaDuarte
Publicado: 25/04/2009 21:06  Atualizado: 25/04/2009 21:06
Da casa!
Usuário desde: 19/12/2008
Localidade: Portugal
Mensagens: 325
 Re: Travessia
Mais um poema digno de se ler Simplesmente uma optima travessia de se fazer...

abraço,
Sofia Duarte