https://www.poetris.com/
 
Sonetos : 

ARDIS

 
A vida tantas vezes ardilosa,
Preparando armadilhas, numa espreita,
Enquanto uma alma insana se deleita
E em meio a tais prazeres, louca, goza,

Por mais que a terra mostre-se argilosa,
Moldando esta verdade em que se aceita
Um tempo de alegria, onde se deita
A sorte que buscara espinho e rosa,

Aquém deste ideal que se supõe
A dor da fantasia decompõe
E mostra quão voraz se faz o amor,

Recebo dos teus olhos, farto brilho,
E penso em cada passo, no empecilho
Que impeça o coração navegador...
Marcos Loures
 
Autor
MARCOSLOURES
 
Texto
Data
Leituras
715
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
13 pontos
5
0
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 19/12/2009 07:20  Atualizado: 19/12/2009 07:20
 Re: ARDIS
Ola Marcos

Um belo poema descrevendo os ardis da vida, forjados ou não

Boas festas!

Beijo azul


Enviado por Tópico
vanriz
Publicado: 19/12/2009 12:35  Atualizado: 19/12/2009 12:35
Da casa!
Usuário desde: 19/10/2009
Localidade: São Paulo - SP
Mensagens: 437
 Re: ARDIS
Marcos,
Criastes um bom poema, com essa forma de descrever o amor, suas dores e dificuldades. Muito Verdadeiro!
Gostei muito, adoro sonetos!

Abraço!
Van


Enviado por Tópico
antóniocasado
Publicado: 20/12/2009 00:00  Atualizado: 20/12/2009 00:00
Colaborador
Usuário desde: 29/11/2009
Localidade:
Mensagens: 1657
 Re: ARDIS
Ola

"A sorte que buscara espinho e rosa". Concordo. Acaso saberemos destrinçar um do outro, excepto quando nos picamos?

Muito bonito
antóniocasado