https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Cravos de Abril

 
Tags:  desilusão  
 
O Abril que a gente sente
Não tem cravo na lapela
Já murchou o cravo e a Gente;
Gente que nem sequer sente
Que a flor murchou na gente
E a gente murchou com ela


De Lisboa, com amor
(Rossio, 25 de Abril de 2010)

Joana D'Arc

 
Autor
Joanad'Arc
 
Texto
Data
Leituras
1135
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
16 pontos
16
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 17/05/2010 17:19  Atualizado: 17/05/2010 17:19
 Re: Cravos de Abril
Afinal, Joana, o Norberto foi mais rápido!

É em dose dupla! rsrs

Bom poema!

Abraço


Enviado por Tópico
Xavier_Zarco
Publicado: 17/05/2010 18:24  Atualizado: 17/05/2010 18:24
Colaborador
Usuário desde: 17/07/2008
Localidade:
Mensagens: 2253
 Re: Cravos de Abril
Cara Joana D'Arc,
Independentemente da sua origem, isto é: quem é de facto; o mesmo é dizer até ter o prazer de a conhecer pessoalmente; garantidamente que, após o bom poema, porque é de facto Bom, pleno de arte, de saber fazer (refiro-me ao célebre: COMO NICAR PHODAVONY), ganhou um leitor. Este, já noutro estilo, mantém a mesma mesura, uma boa respiração que é a nossa, a portuguesa.
Um beijo
Xavier Zarco


Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 17/05/2010 18:32  Atualizado: 17/05/2010 18:32
 Re: Cravos de Abril
e o Chico cantou para Lisboa nos idos anos 70...
Tanto mar

Foi bonita a festa, pá
Fiquei contente
E inda guardo, renitente
Um velho cravo para mim

Já murcharam tua festa, pá
Mas certamente
Esqueceram uma semente
Nalgum canto do jardim

Sei que há léguas a nos separar
Tanto mar, tanto mar
Sei também quanto é preciso, pá
Navegar, navegar

Canta a primavera, pá
Cá estou carente
Manda novamente
Algum cheirinho de alecrim


Enviado por Tópico
fogomaduro
Publicado: 17/05/2010 20:05  Atualizado: 17/05/2010 20:05
Colaborador
Usuário desde: 06/08/2008
Localidade:
Mensagens: 1478
 Re: Cravos de Abril
Cara Joana D'Arc,

Vivi intensamente o Abril dos cravos vermelhos, de um vermelho rubro (não desmaiado, nem encarnado, vermelho mesmo).
Ainda há cravos desses que, mesmo grisalhos, resistem por aí.
(Sem querer fazer qualquer promoção, atrevo-me a sugerir-lhe, se lhe aprouver, que leia o meu poema Elegia, em homenagem ao 25 de Abril).

Gostei do seu poema (pena só que tantos dos cravos virassem cravas, e como cravas de peito feito, não murchem, como deixaram murchar os cravos).

DM


Enviado por Tópico
Sterea
Publicado: 17/05/2010 20:22  Atualizado: 17/05/2010 20:22
Colaborador
Usuário desde: 20/05/2008
Localidade: Porto
Mensagens: 3397
 Re: Cravos de Abril
(pois, eu também cheguei a ver a troca dos cravos vermelhos... a propósito, como anda o meu amigo Norberto, que já há tanto tempo não vejo...?)

Gosto deste estilo bailado das palavras, verdades em passos lúdicos e ritmos marcantes. Talento é contigo, está dito.

Beijinhos!


Enviado por Tópico
Runa
Publicado: 17/05/2010 22:28  Atualizado: 17/05/2010 22:28
Colaborador
Usuário desde: 24/04/2010
Localidade: Santo Antonio Cavaleiros
Mensagens: 1177
 Re: Cravos de Abril
Da próxima vez, temos de substituir os cravos por alguma coisa mais "marcante", que não murche com o passar do tempo... se houver próxima vez.

1 Beijo


Enviado por Tópico
flavio silver
Publicado: 17/05/2010 22:53  Atualizado: 17/05/2010 22:53
Colaborador
Usuário desde: 24/09/2007
Localidade: barcelos
Mensagens: 1001
 Re: Cravos de Abril
olá!

gostei sim deste poema!
infelizmente é verdade isso que falas.
abril é para continuar!

bj


Enviado por Tópico
Henrique Pedro
Publicado: 29/05/2010 13:44  Atualizado: 29/05/2010 13:44
Colaborador
Usuário desde: 28/07/2007
Localidade:
Mensagens: 3821
 Re: Cravos de Abril
Verdade triste. Que mais fundo sente quem, como eu, nesse dia, arriscou a vida de arma na mão.
Bj

Enviado por Tópico
ALLANpp
Publicado: 11/02/2011 08:28  Atualizado: 11/02/2011 08:28
Muito Participativo
Usuário desde: 21/01/2011
Localidade: Brasil
Mensagens: 61
 Re: Cravos de Abril
Como sempre digo: Como diria uma pessoa que admiro; "Quando o amor bate à porta, tudo é festa! Quando o amor bate a porta, nada resta!"
Parabéns pela obra!

Open in new window