https://www.poetris.com/
 
Textos -> Tristeza : 

Paredes da Morte

 
Tags:  morte    da    paredes  
 
Entre aquelas quatro paredes não tinha braços, tinha uma espera imperatriz pela picada do senhor luzidio que me faria adormecer fatal.
Tentava com a força do corpo derrubar os muros brancos, mas era em vão, toda a força era em vão, toda a esperança era em vão.
Os arrepios percorriam-me o corpo quando pensava em ti, quando sabia que me tinhas deixado ali sem sequer te lembrares de nós.
Eu sei, eu deixei-me levar pelo brinquedo branco que encontraste um dia sobre o lavatório quando me viste desmaiada junto à cama, perdoa-me, eu não queria, mas foi inevitável, tu ias-te embora todas as manhãs deixando-me ali presa à espera do teu olhar, à espera dos beijos que nunca me deste. O frio instalava-se em mim, eram pedras de gelo que se entranhavam no meu peito e o brinquedo, oh, o brinquedo salvava-me de ti, ele fazia-me embriagar em lembranças que se tornavam reais por momentos, imaginava que estavas ali ao meu lado, deitado e sorrindo como nos primeiros tempos e brincavas com o meu corpo, os teus dedos mastigavam-me o corpo e eu sorria, eu sorria e mexia nos cabelos, mordia os lábios imaginando que eras tu que o fazias, oh, e sabia bem, sabia a tempo, amor e afecto.

Porque me fechaste entre as paredes brancas da morte?


les fleurs mortes.

 
Autor
Fleur
Autor
 
Texto
Data
Leituras
841
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
2 pontos
2
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
HorrorisCausa
Publicado: 13/09/2007 14:13  Atualizado: 13/09/2007 14:13
Colaborador
Usuário desde: 15/02/2007
Localidade: Porto
Mensagens: 2699
 Re: Paredes da Morte
Texto intenso de sentido, desespero, paixão...deixou-me presa a cada palavra.