https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

era o estio e senti te outono tardio

 


cheguei tarde
o sentimento tinha ido ver o tempo
lá fora
como estava entre as sombras da vontade
e tu estavas ausente

foi assim que me sentei no parapeito
de sonhos e bebi
para matar a afogueada sede
de te ver de madrugada
ao raiar da manhã pela névoa
encoberta


 
Autor
uersus
Autor
 
Texto
Data
Leituras
602
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
13 pontos
5
0
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 07/08/2012 01:19  Atualizado: 07/08/2012 01:22
 Re: era o estio e senti te outono tardio
*Perfeito poema.
Deambulei entre demoras e incertezas, sonhos e paragens...
Humilde, peço licença para divagar com a tua escrita:
*
é demasiado cedo
talvez nao tenho mais o tempo
contudo, o querer-te rouba-me palavras
e fico aqui a remir versos
como se ainda-e tal como agora-
sentisse na mão
o calor da tua...
a eternidade de um momento
o sentir mágico de uma hora.

é demasiado tarde
sinto o vento furioso na face
quero habituar-me à ausência
esquecer-me da dor da saudade
sou só poeira de palavras
e sorrio quando tu me vens
como um beijo da memória amada....


é demasiado...K*






Enviado por Tópico
FalcãoSR
Publicado: 07/08/2012 08:24  Atualizado: 07/08/2012 08:24
Colaborador
Usuário desde: 30/06/2006
Localidade: Rio de Janeiro
Mensagens: 2785
 Re: era o estio e senti te outono tardio
Uersus,


Amanheci descobrindo mais um grande talento nesse recanto poético!


Parabéns!


Abraço

Enviado por Tópico
martisns
Publicado: 07/08/2012 11:28  Atualizado: 07/08/2012 11:28
Colaborador
Usuário desde: 13/07/2010
Localidade:
Mensagens: 29310
 Re: era o estio e senti te outono tardio
Lindas palavra que forma esse belo poema paixão

MARTISNS

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 07/08/2012 14:40  Atualizado: 07/08/2012 14:40
 Re: era o estio e senti te outono tardio
Gosto do teu poetar em que o eu lirico desvela sentires fugidios como as estações... que se sucedem no tempo ( eterno devorador).

Um abraço