https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

O Sal da Terra

 
Nós somos as vozes da jornada,
A erecção dos cravos ao som da guitarra, do batuque,
Pela madrugada.

Nós somos as mãos que gritam em mil gestos obscenos,
A desobediência que nos foi imposta

Nós somos o sal da terra,
O hino que ainda soa e atordoa
Incrédulos ouvidos
Trazemos a bandeira em haste
Herança de nossos pais.

Somos os trapezistas, os equilibristas
No precipício do vosso punhal
E se sangramos ainda é porque a máquina do Tempo
Nos não consumiu.

Nós somos o arado, somos a seiva
Somos os Homens da rua, dos apartamentos e das moradias…
Nós somos as vozes da jornada!

Nós somos a infâmia que se derrama na História
E vós sois nada!

Nós somos o pão amassado, partilhado à mesa da “pedra filosofal”,
Caminhamos na coragem rumo ao efémero Poder de vós,
Rosa dos ventos nos pertence
E a memória dos nossos avós rejubilará êxtase
Em qualquer recanto, aldeia ou cidade
Onde nossas mãos se esgueirem
Iluminando a Verdade como archotes.


© Célia Moura

© Célia Moura – A publicar “Terra De Lavra”
 
Autor
CéliaMoura
 
Texto
Data
Leituras
353
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
10 pontos
0
1
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.