https://www.poetris.com/
 
Sonetos : 

ARREPIOS DA ALMA

 
Tags:  alma  
 
Oh! Deus! Sinto o cheiro da relva; ouço a música silente
embalando os tímpanos da escuridão das trevas luminosas
da existência turbulenta da alma. Escuto o tilintar valente
dos sinos imersos nas calmarias indefinidas e pecaminosas.

Oh! Deus! Observo a pintura da biografia pincelada do ente
maltrapilho e rude, na moldura disforme, descorada, sinuosa,
dependurada na parede revolta do casario do inconsequente
da mente descompensada, desvairada, trivial e desvirtuosa.

Oh! Deus! Apalpo a rigidez da indecisão sentindo o aroma
alquebrado do desconhecido, percebendo no negrume
da poeira compacta do universo, mansidão, calma.

Oh! Deus! Curvo-me diante da luz generosa de Seu Axioma
Misericordioso, que me perdoe meu intermitente queixume,
que absolva essa psique por esses delírios e arrepios da alma.

Um soneto "SIMBOLISTA".
 
Autor
CHAGASFERREIRA
 
Texto
Data
Leituras
459
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
10 pontos
0
1
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.