https://www.poetris.com/
Poemas : 

AMÉRICA

 
 
Meu avô se chamava Américo
e um dia
decidiu que o seu destino seria a América...

Saiu de Freixo de Numão, uma aldeia
no pedregoso vale do rio D’Ouro,
o menino que se alimentava de queijo & vinho
nas refeições da manhã

E rumo ao novo continente
deixou a sua gente
no porto de Lisboa.
E como falou Fernando Pessoa:
ó mar salgado, quanto do teu sal
são lágrimas de Portugal.

Nas ilhas dos Açores, os viajantes se divertiam
e do convés do navio jogavam moedas n’água
que os negros pescadores de pérolas
iam buscar no fundo do mar.
Eles traziam as moedas entre os dentes.
Faziam isto mais pela sobrevivência
do que por exibicionismo de artista.

Apesar da saudade
meu avô nunca voltou a Portugal.

Meu avô se chamava Américo
e um dia decidiu que o seu destino seria a América!


Luiz Felipe Rezende


 
Autor
Luizfeliperezende
 
Texto
Data
Leituras
190
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
2 pontos
0
1
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.